Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Nova de dinâmica de pessoas para pessoas

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Por conta do mundo mais conectado, as empresas têm ciência de que o mercado não é mais o mesmo. Ele passa por constantes modificações, tem anseios e necessidades que as marcas desejam atender e está, ao mesmo tempo, muito mais exigente sobre aquilo que irá consumir e como quer se relacionar com as empresas. Por conta disso, as empresas, ao criarem suas campanhas e ações, acabam por cobrar muito também das agências na elaboração de projetos que conquistem cada vez mais a atenção desse público. 
No segundo painel do II Congresso Brasileiro de Live Marketing, “O Live Marketing sob olhar da ideia”, criativos discutiram como desenvolver, então, a criatividade e as inspirações para as suas campanhas. Bruno Brasileiro, diretor de criação da Mood, ressaltou que os profissionais e as agências têm o poder de criar um diálogo com as pessoas, já que elas são mais e mais protagonistas de suas próprias vidas e consomem os que lhes interessam. “Então, se você permite que ele conte sua história, participe e produza conteúdo, ele prestará mais atenção na ação e na marca”, explica ele, que criou a campanha para a Huggies, na qual possibilitava que mães com deficiência visual conhecessem a feição de seus filhos com impressão 3D. “Hoje, o live marketing é a bola da vez para criar situações que levem as pessoas a terem novas experiências”, adiciona Ana Paula Dugaich, vice-presidente de criação e planejamento da Ponto de Criação.
Ana Paula ainda conta que, ainda, que a estratégia permite que a marca tenha voz e que ela vá à rua falar com o consumidor. “Hoje, há uma crise de identidade e quando cria ações de live marketing, que permitem a marca falar, puxa uma nova dinâmica”, pontua. Entretanto, uma das coisas que as empresas clientes mais cobram das agências é criatividade e inovação nas campanhas. E, de onde vem esse processo criativo? Todos os participantes foram unânimes: ninguém nasce criativo. A criatividade é fruto de experiências vividas próprias e de outras pessoas, é ter a capacidade de olhar ao redor e ver como os outros se comportam, opinam, procuram etc. Uma vez que as campanhas nada mais são do que projetos criados por pessoas para atingir e influenciar outras pessoas. “Ser criativo é ter interesse no mundo, no outro, nas coisas. Se não tiver esse interesse, não dá para desenvolver”, conta Mônica Pedro, diretora associada de planejamento da Live Team/ Grupo Team Creátif. 
Adriana Salles, diretora de criação e planejamento da Avantgarde, acrescenta que também é importante utilizar a criatividade da melhor forma para o negócio, transformando-a em ideias efetivas que terão sucesso nas campanhas. “A inspiração vem de vários lugares: pessoas, músicas, conversas”. Principalmente, através de uma bagagem grande de informações, pois é preciso saber a expectativa daquele que vai receber a mensagem. “É preciso entregar a mensagem que a pessoa espera. Para isso, é preciso desenvolver insights e brainstorms a partir desse conhecimento”, acrescenta a profissional. 
Além deles, também participaram do painel: Adriano Cerullo, diretor de criação da The Marketing Store; Cleber Paradela, diretor de planejamento da Tudo e Marcio Franco, diretor de criação também da Tudo, e Dil Mota, diretor de criação, como moderadores. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima