Novo levantamento da FecomercioSP

0
13



Pelo terceiro mês consecutivo, o índice de Intenção de Consumo das Famílias, ICF, apurado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), registrou retração. Em março, o indicador apresentou 129,6 pontos, uma queda de 4,3% em relação a fevereiro e redução de 9% no contraponto com março de 2012. Esse é o menor valor desde setembro de 2009, quando o ICF indicava 127,8 pontos. Mesmo com o declínio, o indicador ainda permanece dentro do campo de satisfação elevada que, segundo a metodologia da pesquisa, denota otimismo quando acima dos 100.


De acordo com a FecomercioSP, o resultado de março mostra que, apesar de os juros para o consumidor permanecerem nos menores níveis históricos, as famílias estão mais cautelosas na contração de novas dívidas, devido aos recentes aumentos de preços e possíveis impactos no emprego. Cinco dos sete itens que compõem o ICF registraram queda em março. A redução mais acentuada foi no item, momento para duráveis, com retração de 10,4% (135,4 pontos), resultado que pode ser explicado pela volta gradual neste início de ano do IPI para automóveis, eletrodomésticos e móveis, tornando-os mais caros e desacelerando o ritmo de aquisição desses bens.


O nível de consumo atual apontou 92,2 pontos, queda de 5,3% ante ao mês anterior, registrando o menor valor desde agosto de 2009 – primeiro mês da série histórica. O item perspectiva de consumo também recuou 3,9% para 121,6 pontos. O quesito perspectiva profissional teve retrocesso de 7,9%, registrando 128,7 pontos. As famílias que ganham até dez salários puxaram a queda do item com variação negativa de 12%, contra o resultado positivo de 4,6% das famílias com renda maior. Apesar da baixa perspectiva, as famílias paulistanas permanecem satisfeitas com o nível atual do emprego (133,9 pontos), com 2,4% acima da pontuação de fevereiro. O item mais bem avaliado do ICF foi o acesso a crédito, que permaneceu praticamente estável, com variação de 0,9% e 152,5 pontos.


Para a FecomercioSP, a tendência deve permanecer negativa. Não há sinais claros de arrefecimento da inflação e o crescimento econômico está abaixo do esperado, o que cria um cenário de incertezas sobre a renda e o emprego do paulistano, fatores cruciais para melhorar o nível de satisfação.


Nota Metodológica
A Intenção de Consumo das Famílias é apurada mensalmente pela FecomercioSP desde agosto de 2009 junto a aproximadamente 2.200 consumidores no município de São Paulo. O ICF é composto por sete itens: emprego atual, perspectiva profissional, renda atual, acesso ao crédito, nível de consumo atual, perspectiva de consumo e momento para duráveis. O índice vai de 0 a 200 pontos, onde abaixo de 100 pontos é considerado insatisfação e acima de 100 é denotado como satisfação.