O líder dinâmico

0
15


Resultados de nova pesquisa encomendada pela Juniper Networks revelaram uma forte ligação entre o desempenho financeiro de uma empresa e como ela utiliza a tecnologia da informação (TI). A pesquisa entrevistou 560 empresas da América do Norte, Europa e Ásia, com faturamento superior a 100 milhões de dólares. Uma das descobertas mais interessantes é que empresas com melhor desempenho financeiro também são aquelas que dão mais importância à tecnologia e estão mais inclinadas a adotarem-a. Isso se repete com empresas de todos os portes, regiões geográficas e segmentos do mercado. A Juniper denominou esse tipo de empresa de “líder dinâmico”.

Os líderes dinâmicos representaram cerca de 25% das empresas pesquisadas e as respostas seguiram um padrão bastante consistente: elas vêem TI como um facilitador de negócios e um ativo estratégico para ajudá-las a se destacarem perante as outras empresas. O faturamento dessas empresas é, em média, 30% superior ao das demais.

Essa pesquisa comprova que há retorno de investimentos (ROI) nos gastos com tecnologia. “TI permite que uma empresa seja mais bem-sucedida ou são as empresas mais bem-sucedidas que investem mais em TI? Essa é a pergunta que o mercado já faz há anos”, disse Kim Perdikou, diretor-geral associado da equipe de infra-estrutura da Juniper Networks. Com base nas constatações da pesquisa, a Juniper Networks desenvolveu um perfil detalhado de um líder dinâmico:

– A tecnologia está no coração da empresa: as empresas dependem extremamente de transações em tempo real e processos automatizados.

– Os líderes dinâmicos mantêm a concentração na produtividade e eficiência operacional e usam a tecnologia estrategicamente para conseguir isso.

– Os líderes dinâmicos têm mais projetos de TI em andamento do que as demais empresas pesquisadas e adotam novas tecnologias bem mais rapidamente.

– Os líderes dinâmicos adotam uma concentração estratégica, porém dinâmica, no que se refere ao planejamento e aquisição de TI.

– Os líderes dinâmicos usam mais de 35% estão investindo em sistemas para gestão de documentos, e mais de 36% em redes de armazenamento de Canal de Fibra.