O lugar do consumidor na crise

0
1



A crise econômica mundial e seu impacto no consumo das famílias ganharam uma nova urgência na pauta das empresas. A “terapia de compras” parece não funcionar mais para acalmar os brasileiros que se dizem ansiosos com o futuro e os que planejam uma redução consciente e seletiva de consumo, de acordo com um novo relatório do The Boston Consulting Group (BCG), consultoria em estratégia e gestão empresarial.

 

No estudo Winning Consumers Through the Downturn: Relatório BCG 2009 sobre o Sentimento do Consumidor, realizado com 21.800 consumidores em 13 países, o BCG identificou que 55% dos brasileiros pretendem reduzir gastos nos próximos 12 meses, o que coloca o País no mesmo nível das regiões mais afetadas pela crise, como Estados Unidos (58%) e Europa (59%), e o diferencia de Índia (34%) e China (26%). A consultoria também identificou que existe uma aceleração da tendência de trading down, isto é, a propensão do consumidor a comprar produtos mais baratos em determinadas categorias.

 

Segundo Olavo Cunha, sócio do escritório do BCG em São Paulo, os consumidores demonstram estar mais pessimistas em relação ao que é apontado pelos índices atuais de confiança. “Isso pode indicar que estamos apenas defasados em relação aos países desenvolvidos”, explica o executivo. “Por outro lado, a melhoria no humor do consumidor é a chave para uma recuperação econômica mais rápida, dados os sólidos fundamentos macroeconômicos do Brasil”, conclui Cunha.

 

A boa notícia, segundo o BCG, é que o consumidor brasileiro está aprendendo novas maneiras de aliviar a ansiedade sobre o futuro e balancear o orçamento. As famílias planejam passar mais tempo em casa, por exemplo, e aguçam o faro por ofertas de valor, para mudar os canais de compra e redescobrir o conceito de frugalidade. Neste momento, ganham as categorias associadas ao cuidado com a saúde e ao bem-estar da família, além das pequenas autoindulgências. Em contrapartida, perdem as categorias de maior dispêndio e que podem ser adiadas.

 

Cunha ressalta que as famílias brasileiras que melhoraram os rendimentos nos últimos cinco anos (vide o aumento da classe C) não querem perder o status nem a realização conquistados. “Essas famílias não vão mais comprar indiscriminadamente produtos premium ou que ofereçam status. Vão comprar seletivamente, e em poucas categorias”, alerta. O relatório do BCG aponta que mais de 90% dos consumidores pretendem reduzir em até 20% os gastos com viagens, decoração, vestuário e linha branca este ano. Por outro lado, categorias como alimentos frescos, lácteos, café e até pequenas concessões como chocolate devem ter suas vendas estáveis ou registrar aumentos tímidos em relação ao ano passado.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGestão integrada
Próximo artigoDedic participa da Campanha do Agasalho