O segredo das empresas de sucesso

0
2



Autor: Evaldo Costa

 

Qual será o segredo do sucesso na gestão empresarial? O que fazer para manter uma equipe coesa e motivada para novas conquistas? Como construir um ambiente de trabalho acolhedor e produtivo?


Existem muitas etapas que precisam ser vencidas para que uma empresa possa triunfar nessa aldeia de competitividade global, onde o bom parece não ser mais tolerado, o ótimo é obrigação e o encantar, a maior cobiça. Mas, afinal de contas, diante destas necessidades, o que faz uma empresa ser grande? Sua estrutura física? O tamanho do investimento financeiro? O capital humano que ela possui? Encontrar respostas para essas e muitas outras perguntas é apenas o começo para as organizações cujo foco é prosperar.


O que podemos abstrair do cenário atual é que não basta atrair pessoas de talento. É preciso motivá-las, para que elas busquem o crescimento profissional e pessoal. Se a empresa não dá bons exemplos, dificilmente alguém empunhará a bandeira em nome do investimento pessoal. O problema reside quando a organização não valoriza seus colaboradores com recursos insuficientes para treinamentos, falta de incentivo à educação, formação ou informação, pois a mensagem subjacente será que preservar seu maior patrimônio, as pessoas, não é relevante.


Portanto, o que esperar de uma instituição que não se importa com o que ela tem de melhor? Diante da ambigüidade da situação, nada de bom pode-se esperar, uma vez que a partir de então, o funcionário poderá pensar que zelar pela aparência do local de trabalho ou de sua aparência pessoal, da manutenção das instalações e dos equipamentos da empresa ou mesmo tratar bem os clientes, também, não importa muito.


Ambiente assim precisa ser atenuado, pois é fértil para proliferação de chefes mandões, os quais acreditam que gerenciar é cobrar, dão bronca e chibatadas nos subordinados, como se a força dos músculos suplantasse o poder do cérebro. Como uma empresa pode prosperar quando seus colaboradores não são tratados com dignidade e respeito? Como você acha que um subordinado se sente quando é humilhado pelo chefe? O que esperar de um funcionário que chega tenso e desmotivado para trabalhar? Será que ele vai conseguir lidar bem com os clientes? Pode ser que, em algum dia no passado, a empresa pôde ignorar a qualidade do relacionamento de equipe, entretanto não creio ser o caso das organizações atuais, cujo objetivo é o sucesso.


Aliás, cabe enfatizar que as empresas atuantes no varejo devem ter maior preocupação com a qualidade da gestão de pessoas. Isto porque é a primeira vez na história que temos o varejo como principal elo da cadeia de consumo. Aprendemos, durante todo o século passado, que a indústria é quem dava as cartas no que se refere aos grandes volumes de faturamento, grandes ofertas de emprego, ótimos e inovadores produtos. Ou seja, parecia não precisar de nenhum esforço de vendas para chegar aos consumidores.


Só que agora a banda, aparentemente, toca de forma diferente. Estamos vivenciando o momento do varejo, época de concorrência acirrada em todos os setores. Os métodos de produção enxuta já não são mais segredos, os preços dos produtos são similares, a qualidade dos bens está nivelado e o pós-venda já não é mais considerado diferencial competitivo.


É neste cenário inédito que as empresas do varejo parecem ditar as normas. O Walt Mart, por exemplo, contabiliza faturamento maior do que qualquer indústria, superior, inclusive, ao PIB de muitos países, como o do Brasil. Organizações como o Walt Mart podem determinar o que querem produzir, a que preço e onde seus pedidos devem ser entregues. Elas têm o mundo aos seus pés, pronto a atendê-las. A verdade é que o varejo nunca foi tão imponente no mundo dos negócios quanto tem sido nesta década.


Mas, afinal de contas, o que empresas como o Walt Mart estão fazendo para contabilizar tanto sucesso? Certamente, não foi uma única ação que as levaram ao atual patamar de realização. Contudo, parece que o desafio de interagir com pessoas, de forma pragmática, não tem sido um problema para elas, não é mesmo? Talvez aí esteja o verdadeiro diferencial competitivo das organizações vencedoras, as quais conseguem encantar os clientes e elevar a força de vendas a patamares que as blindam de concorrentes menos atentos.


Evaldo Costa é escritor, consultor, conferencista e professor. ([email protected])