Odebrecht investe na modernização tecnológica

0
3



A Oracle do Brasil amplia a presença no setor de construção civil com a conquista de um importante cliente: a Construtora Norberto Odebrecht. Após concorrência, a empresa foi selecionada para implementar o sistema de gestão empresarial para a construtora a partir deste ano. O projeto será concluído em 2012 sendo que o E-Business da Oracle não será utilizado pela empresa apenas no Brasil, mas em 20 países, como EUA, Portugal, Angola, Peru, Equador, Venezuela, Emirados Árabes, Líbia e Djibuti, onde a Odebrecht mantém subsidiárias.


Durante seis meses, uma equipe de 250 usuários de 18 países debruçou-se sobre uma questão que definiria os rumos tecnológicos da Odebrecht: investir na manutenção do sistema já utilizado pela empresa ou apostar na modernização baseada em ERP fornecido pela Oracle. Apontado como um dos processos de seleção mais rápidos considerando-se complexidade, tamanho e valores, a modernização deverá chegar a 4 mil usuários em três anos, totalizando 6 mil em quatro anos e 12 mil em seis anos.


O Estudo de Viabilidade de Sistema de Gestão optou pelo Oracle E-Business Suite com os módulos de supply chain (gerenciamento da cadeia de suprimentos, em português), Projects, Finanças, Vendas, Manutenção de Equipamentos, HCM (Human Capital Management) e aplicativos Hyperion de Business Intelligence (inteligência de negócios, em português). O projeto será inicialmente implementado no backoffice de todas as obras e na área de equipamentos, com a utilização de indicadores de desempenho da Hyperion, empresa adquirida pela Oracle em 2007 que desenvolve sistemas de BI.


O projeto foi iniciado em abril com o desenho e construção de um modelo global de processos de backoffice que incorpora as melhores práticas oferecidas pela solução Oracle, perfeitamente integrado aos aplicativos específicos de engenharia que são desenvolvidos pela equipe da Odebrecht. A implementação inicia em março de 2009 e estende-se até 2012, com a substituição gradativa do sistema atual. O processo é planejado minuciosamente com o objetivo de minimizar o impacto para os usuários. “Para a Odebrecht, descentralização com autonomia é o segredo do sucesso. Por isso é fundamental que a base tecnológica seja avançada, robusta e flexível para garantir o desempenho do nosso negócio”, acrescenta o CIO da Odebrecht, João Cumerlato.