Os benefícios da SOA

0
5
Equipes de TI das empresas fazem constantes alardes sobre a importância da arquitetura orientada a serviços, conhecida como SOA, porém dificilmente conseguem convencer os gerentes de negócios sobre a real necessidade para que as corporações invistam nesses projetos.
Enquanto não for demonstrado aos gerentes de negócios o impacto da SOA no que se refere a controle, agilidade e custo, eles continuarão acreditando que a essa é apenas mais uma solicitação da equipe técnica por avanço tecnológico, sem utilidade prática no dia-a-dia da empresa. Ou seja, mais um capricho da área de TI.
Essa falta de sinergia entre as áreas de TI e negócios tem levado a alguns erros no mundo corporativo. O caso dos sistemas de gestão é um exemplo típico. Com largas implementações de ERP (Enterprise Resource Planning ou Planejamento de Recursos Empresariais), as empresas deixaram que os sistemas passassem a ditar os rumos dos negócios, em vez de fazer com que eles se ajustassem aos negócios à medida que fosse necessário. Outro exemplo pode ser observado com implementações de EAI (Entreprise Application Integration ou Integração de Aplicações de Negócio), que levaram as lideranças das empresas a centralizar processos-chave de negócios, em vez de delegar funções e permitir que gerentes de diversos níveis hierárquicos estivessem aptos a lidar com eles.
Os resultados de erros desse tipo são: gestão insatisfatória, alto custo, baixa flexibilidade e muito desgaste. No caso do SOA, o desafio é mostrar que a arquitetura orientada a serviços é um conjunto de práticas que faz com que a área de TI, inclusive, seja gerenciada da melhor maneira, como qualquer outro departamento da empresa. Com esse controle, pode-se então conseguir agilidade e redução de custos. Tendo isso em mente, vamos falar sobre como a SOA atinge esses objetivos.
Controle – O que costuma ser esquecido, muitas vezes, é a necessidade do funcionário de negócios que solicita algo a TI não se preocupar em saber sobre como o serviço será feito. Por que ela tem que entender de SAP, Oracle Financials, Siebel, mainframes e outras tecnologias se o que ela procura é desenvolver uma atividade relacionada a negócios e não a tecnologia?
Tudo que alguém ligado a negócios deseja é apenas dizer o que fazer, e não como fazer. O SOA elimina esses “entraves”, fazendo com que a área de negócios veja o que o departamento de TI está fazendo por ela. Por mais estranho que pareça, o menor envolvimento nos detalhes técnicos pode aumentar o controle da área de negócios.
Agilidade – Qualquer um sabe que condições de negócio podem mudar rapidamente. Agilidade é justamente a habilidade de dar resposta a essas condições rapidamente. A partir de uma perspectiva de TI, isso significa mudar a forma com que a equipe técnica lida com processos, seja por meio da implementação de novas aplicações, criação de novos canais, entrega de informação por outros meios (web browsers, análises gráficas, dispositivos móveis, etc) ou qualquer outra mudança significativa.
Agora veja a vantagem de um gerente de negócios não ter que se preocupar com implementações tecnológicas, pois para ele nada muda. Se a equipe de TI quer substituir um sistema legado por uma aplicação mais moderna, ela pode. Se quiser terceirizar o processo de fatura com um especialista, não há problema. Ao deixar a gerência de negócios focar somente nos negócios, a equipe de TI pode também se preocupar só com a melhor maneira de suportar o negócio.
Mas não é só isso. Uma organização estruturada em linhas de negócios pode se adaptar de acordo com as demandas do mercado. Hoje mais do que nunca, empresas são compradas, linhas de produto podem ser retiradas ou adaptadas, processos terceirizados. Se a equipe de TI se organiza da mesma maneira, ela poderá se adequar às mudanças rapidamente.
Muitos projetos de EAI fracassaram no passado porque tudo era muito centralizado. Cada parte da organização era fortemente atrelada à outra – pelo menos sob a perspectiva da área de TI. O SOA é descentralizado e cada parte da empresa é responsável pelos serviços que provê.
Custo – Com a SOA, se sua empresa é usuária de serviços e precisa mudar seus processos de negócio, isso pode ser feito rapidamente, apenas com conhecimento no nível de negócios sobre os serviços envolvidos – o que permite mudanças muito mais rápidas e corte de custos, fazendo com que a empresa atinja os benefícios dos novos processos mais rapidamente.
Se sua empresa fornece serviços, poderá com a SOA, retirar um sistema legado caro e substituir por um de melhor custo sem nenhum trauma.
Em qualquer um dos casos, o que antes só era feito com a colaboração de programadores – que precisavam de conhecimento técnico profundo – e de pessoas de negócios com forte orientação a processos, agora requer apenas conhecimento sobre serviços disponíveis e processos de negócios necessários.
Acredito que se as equipes de TI souberem explicar esses benefícios a suas lideranças de negócios, os projetos de SOA poderão finalmente ser implementados.
David Fernandez é diretor comercial da InfoBuild Brasil, representante da Information Builders no país.