Pesquisa da Ipsos avalia economia

0
4



Outubro foi um bom mês na avaliação dos cidadãos-consumidores sobre sua economia: globalmente, as avaliações “boas” cresceram 2 pontos percentuais, chegando a 42%. A visão otimista observada em outubro é generalizada, garantida por aumentos em dois terços (66%) dos 24 países monitorados. Ao todo, 19.197 cidadãos participaram do levantamento (média de 800 por país).


Esta lenta (porém evidente) recuperação pode ser mapeada: entre novembro de 2009 e abril de 2010, a avaliação global positiva da economia mundial era de 38%; em maio e junho de 2010 ela chegou a 39%; em julho alcançou 40%, e em agosto, 41%. Depois de recuar um ponto em setembro, em outubro ela apresentou um salto de 2 pontos percentuais (atingindo 42%). Em seis meses, portanto, subiu 4 pontos.


Ainda há um longo caminho a ser percorrido para alcançar os números dos agitados dias de abril de 2007, quando a avaliação global positiva era de 56%; no entanto, o mundo parece estar em recuperação, uma vez que está apenas 3 pontos atrás dos números de abril de 2008 (antes dos impactos mais profundos da crise econômica).


Alguns dados importantes: as avaliações positivas nos EUA cresceram (+3) em outubro e o país saiu da recessão (considerando-se os relatórios de varejo de novembro), mas ainda está na lista de vigilância crítica, já que a avaliação “boa” de sua situação econômica foi de magros 18%; em meio a protestos e paralizações de trabalho, a França continua com 10%, mas parece que os efeitos se espalharam para a Bélgica (-7 pontos), e na esteira dos drásticos cortes no orçamento, o Reino Unido caiu para 12% (-4).


Das sete regiões avaliadas, apenas uma recuou (a América Latina), mas ainda assim, o recuo foi de apenas 1 ponto. Nesta região, a Argentina recuou 3 pontos (passando a 35%), enquanto o Brasil apresentou forte avanço (+8) e chegou a 66%. A Europa ainda é a região a ser acompanhada com mais cuidado, já que um grande número de países do continente aparece na parte inferior do ranking de avaliações.


Com base nesses dados, seria possível afirmar que há em curso uma recuperação sustentável da economia mundial? Ainda é preciso esperar por dados econômicos reais antes de fazer esta afirmação, mas é inegável que as opiniões monitoradas neste relatório desde 2007 foram capazer de espelhar ou antecipar as reais mudanças econômicas – boas ou ruins.