Pirataria de software no Brasil

0
14

Com 72.262.411 habitantes, a região Sudeste foi a que teve maior perda de faturamento em comparação às outras regiões do Brasil. O Estado de São Paulo perdeu US$ 174,8 milhões com a pirataria de software. Em seguida vem o Estado do Rio de Janeiro, que apresentou perdas de US$ 65,0 milhões. Minas Gerais perdeu US$ 50,0 milhões e por fim ficou Espírito Santo que deixou de arrecadar US$ 10,1 milhões.Esta informações são da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) e a Business Software Alliance (BSA), que anunciaram o balanço da campanha antipirataria com números relativos à pirataria de software no Brasil em 2004.
O Sul do País, com 25.071.211 habitantes, está em segundo lugar na perda de faturamento por região. O Estado do Rio Grande do Sul lidera, com uma perda de US$ 40,1 milhões. Paraná vem em seguida, deixando de faturar US$ 31,1 milhões e por fim, Santa Catarina que perdeu US$ 20,0 milhões devido à pirataria.
O Nordeste do Brasil, que tem 46.789.013 habitantes, apresenta a Bahia como o Estado que mais perdeu faturamento em 2003, com US$ 22,7 milhões. Logo em seguida vem Pernambuco, com US$ 13,7 milhões em perda de faturamento. O Estado do Ceará vem na seqüência, com US$ 9,8 milhões; Paraíba perdeu US$ 4,4 milhões; Rio Grande do Norte, US$ 4,4 milhões; Maranhão, US$ 4,3 milhões; Alagoas, US$ 3,3 milhões; Sergipe, US$ 2,8 milhões e por último está Piauí, com uma perda de US$ 2,5 milhões.
Com uma população de 11.611.491 habitantes, a região Centro Oeste está em quarto lugar em perda de faturamento. O Distrito Federal deixou de arrecadar US$ 13,9 milhões. Goiás perdeu US$ 10,2 milhões; Mato Grosso teve uma perda de US$ 6,3 milhões e em seguida, Mato Grosso do Sul que perdeu US$ 5,6 milhões em arrecadação.
O Norte do Brasil apresenta o menor prejuízo regional, ficando em quinto lugar na perda de faturamento com a pirataria de software. Amazonas e Pará deixaram de arrecadar US$ 8,9 milhões, enquanto que Rondônia perdeu US$ 2,7 milhões; Tocantins, US$ 1,2 milhão; Amapá, US$ 0,9 milhão; Acre, US$ 0,8 milhão e Roraima, com US$ 0,5 milhão.
Criação de empregos
Com uma redução de 10 pontos percentuais referentes aos números da pirataria de software, o Brasil criaria 13 mil novas vagas de trabalho no setor de tecnologia da informação. Com esta mesma diminuição, o Sudeste poderia ter gerado 7.512 novos empregos. A região Sul teria a oportunidade de colocar 2.285 pessoas no mercado de trabalho. O Nordeste deixou de empregar 1.701 pessoas. O Centro Oeste perdeu 904 empregos e a região Norte deixou de criar 598 vagas. A queda de 10 pontos percentuais geraria ao País, US$ 3,2 bilhões, US$ 335 milhões seriam recolhidos em tributos e a indústria local poderia faturar US$ 2,4 bilhões.