Pitney Bowes nomeia Silvio Maemura como CEO

0
2



A Pitney Bowes, empresa especializada em tecnologias de gestão de comunicação com o cliente, anuncia planos para transformar sua operação no Brasil em um dos três mais importantes mercados para investimento da companhia. O primeiro passo já foi dado com o anúncio de Silvio Maemura como CEO da companhia no Brasil que, no País, é uma joint venture entre a Pitney Bowes Inc. e o Grupo Semco.



A companhia, a qual é listada há 51 anos no ranking anual Fortune 500 das maiores empresas dos Estados Unidos ,   obteve uma receita anual de US$ 4,9bi no ano passado e, um fluxo de caixa na casa dos US$ 769 milhões.  Embora 68% deste número venham dos Estados Unidos, com as recentes crises econômica nos países de primeiro mundo, a tendência é de buscar novos mercados. A hora de investir no Brasil é agora, graças a expansão econômica que o país vem apresentando. 



Atualmente o Brasil responde por 47% do faturamento da operação América Latina, e o objetivo é chegar a percentuais perto dos 60% nos próximos anos. Em termos mundiais, o Brasil foi a região que mais cresceu em 2012, chegando a 60% de expansão da receita operacional. “Até 2012 os Estados Unidos eram o mercado mais importante para a Pitney Bowes. Agora a situação é diferente. A estabilidade do mercado brasileiro e o crescimento econômico posicionaram o Brasil como uma das iniciativas mundiais da corporação”, afirma Silvio Maemura. Em 2013 a previsão é de crescer acima de 30% por meio de parcerias e expansão mais agressiva, nos segmentos financeiro, comércio eletrônico, telecomunicações e utilities.



“O crescimento do e-commerce abre um grande mercado para os nossos produtos”, afirma o CEO. Números da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm),  apontam que o mercado brasileiro de e-commerce passará a faturar R$ 45 bilhões anuais até 2016, um salto impressionante sobre os R$ 24,2 bi registrados em 2012. “Temos grande tecnologia e know-how na gestão de entregas que podem ser aplicados para o comércio eletrônico. O Brasil é um país continental e temos o desafio de uma gestão de movimentação eficiente para minimizar os problemas de logística que geram atrasos nas entregas e, consequentemente, experiências negativas para o consumidor”, conclui.



Para dar suporte a este cenário, a empresa que há 93 anos inventou a tecnologia de franqueamento postal e hoje tem portfólio em gestão da comunicação física e digital, segue investindo em pesquisa e inovação e, considera que tecnologia avançada é chave para o sucesso.  Somente em 2012 o investimento em P&I foi na casa dos US$ 137milhões.



“Minha expectativa é integrar o vasto portfólio da Pitney Bowes disponível no Brasil, seja em Hardware, Software ou Serviços e, com isso, gerar maior valor agregado na oferta de negócios que ajudem as empresas a se tornarem mais eficientes em seus processos de relacionamento com seus clientes. Estes processos vão desde a concepção de um documento, passando por sua cadeia de impressão e produção, até a entrega e rastreamento, fazendo uma total Gestão da Comunicação com o Cliente, ou CCM, na sigla em inglês”, diz Maemura.



Engenheiro eletrônico formado pelo ITA, Silvio Maemura tem mestrado Acadêmico em Economia de Empresas pela FGV e fez o Programa de Gestão Executiva na Graduated School of Business de Stanford University. Nos últimos seis anos atuou como gerente geral da HP Software, antes foi gerente geral da NEC Solutions e também trabalhou nas empresas IBM, Itautec e Hitachi.


DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPara alavancar as PMEs
Próximo artigoHumanizar, sem afastar o cliente