Preços no varejo paulistano elevam 0,03%

0
2



O Índice de Preços no Varejo (IPV) da Federação do Comércio do Estado de São Paulo registrou em março elevação de 0,03% na comparação com fevereiro. No acumulado do primeiro trimestre, o avanço é de 0,24%. O IPV coleta dados junto a cerca de 2 mil estabelecimentos comerciais no município de São Paulo, contemplando 21 segmentos varejistas e 450 subitens pesquisados. A pesquisa conta com uma amostra mensal de aproximadamente 105 mil tomadas de preços.


A principal pressão em março foi no grupo de padarias, que elevou 1,70%, a maior desde julho de 2007, quando o índice apontou 3,28%. No ano, acumula alta de 3,01%. Já a atividade de feiras apresentou em março, alta de 2% em relação ao mês anterior e acumula em 2008, crescimento de 1,84%. O setor de drogarias e perfumarias apontou incremento de 0,70% em março e no acumulado do ano elevação de 1,56%.


A atividade de materiais de construção apresentou em março, alta de 1,18%. No trimestre o incremento foi de 2,36%. Já a atividade de vestuário, tecidos e calçados, com alta de 0,13%. No acumulado do ano, o setor acumula queda de 0,78%. Outras atividades que acusaram alta nos preços em janeiro foram: floriculturas (3,26%), materiais de escritório (0,59%), livrarias (0,49%), jornais e revistas (0,68%) e relojoarias (0,71%).


Por outro lado, o setor de supermercados, que vinha sendo o maior vilão do IPV em 2007, continua mostrando sinais de arrefecimento nos preços, retraindo em março 0,22% e no acumulado do ano alta de 0,53%. O segmento de eletroeletrônicos também continua a trajetória de queda. Em março apontou a 14ª variação negativa consecutiva, registrando -1,61%. Neste primeiro trimestre o grupo acumula queda de 3,51%.


Já a atividade de açougues apresentou em março, baixa de 1,13% em relação a fevereiro. O setor de veículos registrou queda de 0,14% em março e no ano acumula baixa de 0,10%, devido Outros grupos que acusaram retração de preços em março: móveis e decoração (- 0,30%), combustíveis e lubrificantes (-0,12%), brinquedos (-0,85%), eletrodomésticos (-0,22%) e CD´s (-0,62%).