Preços praticados pelo varejo recuam

0
4



A retomada da trajetória de queda de 0,05% pelo Índice de Preços no Varejo (IPV) no mês de fevereiro, que desde outubro de 2007 exibia altas consecutivas, foi insuficiente para sustentar que o indicador encerrasse o bimestre em retração. No acumulado dos dois primeiros meses do ano, o IPV apurou avanço de 0,20%. Na comparação interanual de fevereiro verifica-se elevação de 3,96%. As informações são da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio).


No comparativo entre janeiro e fevereiro, dos 21 grupos analisados pelo IPV, nove registraram queda: Açougues (1,91%), Feiras (1,50%), Floriculturas (1,06%), Eletroeletrônicos (0,90%), Jornais/Revistas (0,67%), Combustíveis/Lubrificantes (0,41%), Supermercados (0,21%), Material de Escritório (0,22%) e Veículos (0,04%). Em igual período, 12 apuraram alta: Relojoarias (1,44%), Autopeças/Acessórios (1,06%), Drogarias e Perfumarias (0,94%), Materiais de Construção (0,82%), Brinquedos (0,74%), Óticas (0,72%), Móveis e Decorações (0,59%), CDs (0,59%), Padarias (0,34%), Livrarias (0,32%), Eletrodomésticos (0,16%) e Vestuário, Tecidos e Calçados (0,08%).


Já no acumulado do bimestre, dos 21 grupos analisados pelo IPV, oito tiveram retração: Açougues (2,57%), Eletroeletrônicos (1,93%), Vestuário/Tecidos e Calçados (0,90%), Combustíveis/Lubrificantes (0,41%), Jornais/Revistas (0,67%), Material de Escritório (0,33%), Feiras (0,15%) e CDs (0,03%). Em igual período, 13 registraram avanço: Relojoarias (2,43%), Autopeças/Acessórios (1,50%), Materiais de Construção (1,17%), Padarias (1,30%), Livraria (1,03%), Óticas (0,89%), Móveis e Decorações (0,86%), Drogarias e Perfumarias (0,86%), Eletrodomésticos (0,77%), Supermercados (0,75%), Brinquedos (0,33%), Floriculturas (0,17%), Veículos (0,05%).


Segundo análise da Fecomercio, para os próximos meses, as expectativas são de pressões menores sobre os alimentos. Por outro lado, o segmento de Combustíveis sinaliza reajustar os preços, em breve, diante da proximidade do período de entressafra da cana-de-açúcar. Os grupos Materiais de Construção e Móveis/Decorações ainda devem continuar aquecidos por conta da elevada aquecida. Entretanto, o dólar se mantém desvalorizado frente ao real e como não há tendência de reversão no curto prazo, é bastante provável que este fator continue a colaborar para manter os preços nos atuais níveis.