O canal para quem respira cliente.

São Paulo, Brasil - 28 de janeiro de 2022, 14:17

Presidentes otimistas

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



A economia mundial voltará a crescer, em termos de recuperação do PIB, a partir do segundo trimestre de 2010, acreditam 22,8% de 500 CEOs de vários países ouvidos em pesquisa da Cook International, em parceria com a InterSearch, rede mundial de empresas de recrutamento de executivos, que no Brasil é representada pela Mariaca. Cerca de 73% dos presidentes de empresas entrevistados opinam que a Ásia será a região que liderará a recuperação econômica, seguida de perto pela América do Norte e Europa.

 

Segundo Patrícia Epperlein, chairwoman do Board da Intersearch e sócia-diretora da Mariaca, Estados Unidos e Europa são players tradicionais nos negócios, possuem estruturas sólidas e transmitem uma confiança que os países da América Latina ainda não conseguem. No entanto, ela diz que executivos de países emergentes, entre eles o Brasil e a Índia, estão mais otimistas e crêem que a recuperação virá ainda no final deste ano. “A recuperação será ainda mais rápida se os líderes das empresas adotarem uma atitude positiva, inspirando e dando energia a todos ao redor”, completa.

 

Tecnologia será o principal segmento responsável pelo aquecimento da economia na maioria dos países, na opinião de 51% dos entrevistados, seguido por bens de consumo. E o varejo, mais do que a indústria e agricultura, vai liderar a retomada do crescimento. “Os países emergente têm uma posição vantajosa, com uma classe consumidora de poder aquisitivo maior do que no passado”, diz.

 

Ainda segundo a pesquisa, após a retomada ganhar força, os executivos afirmam que o maior número de contratações acontecerá nas áreas de vendas e inovação. Patrícia explica que este é um movimento típico pós-crise, quando a empresa começa a voltar a crescer, e isso só acontece quando ela lança novos produtos e aumenta vendas. Como conseqüência, a área de atendimento ao consumidor terá maior demanda, o que exigirá profissionais treinados nos diversos canais de comunicação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima