Qual seu perfil de internauta?

0
7
Dos mais de 250 milhões de internautas, 17% lançam tendência e gostam de experimentar novos produtos tecnológicos. Já 16% querem estar sempre na moda e são muito impactados pelo o que os famosos usam. Como mostram os dados coletados pela Navegg, que classificou os internautas conforme seu comportamento online, tecnologia usada, localização, conteúdos e produtos buscados nos sites parceiros. Com base nas informações coletadas, a empresa fez uma análise que identificou curiosidades e características interessantes sobre o perfil do consumidor online. 
O estudo ainda aponta que os grupos são heterogêneos e vão desde internautas que apostam em produtos inovadores e querem exclusividade. Até conservadores e ecologicamente corretos. A análise teve início a partir de uma metodologia criada para facilitar o entendimento do perfil do internauta. Classificando-os em oito clusters, segundo os fatores que mais influenciam as motivações de compra no meio virtual.
 
Classificação
Dos internautas classificados, 12% pertencem ao cluster “Vencedores”, formado por pessoas bem-sucedidas que valorizam a exclusividade e podem pagar por isso. O grupo é composto por pessoas que têm, em média, 35 a 59 anos também possui como motivação para a compra a inovação e, em sua maioria, pertencem a classe A. Já os “Exploradores”, por sua vez, representa 17% dos usuários e é composto por pessoas que buscam novas experiências e sensações. Altamente conectados, eles são curiosos, gostam de experimentar lançamentos tecnológicos e lançam tendência. A média de idade é menor, de 18 a 34 anos, com usuários predominantes da classe B. 
Os “Seguidores”, representam 16% dos internautas brasileiros e, como o próprio nome diz, seguem o que os outros grupos – especialmente os exploradores – testaram. Estão antenados com as tendências e querem passar a imagem de estarem na moda sempre. Com média de idade de 18 a 34 anos, fazem parte das classes A e B e são muito influenciados pelo que as celebridades estão usando. Ou seja, se você quer atingir esse público, aposte em uma personalidade para a campanha publicitária. Com 14% dos internautas brasileiros, o cluster “Ostentação” é composto por pessoas que compram por impulso, valorizam mais a embalagem que o conteúdo e querem produtos que demonstrem status. A média de idade é de 14 a 35 anos e, além de serem motivados por luxo e status, esse público quer entrega ágil para satisfazer um desejo imediato. 
Diferente dos outros públicos, os “batalhadores” são os principais responsáveis pelo sustento da casa e sua palavra de ordem é economia. Representando 10% da fatia de usuários, esse grupo está mais interessado em produtos duráveis para suprir as necessidades da família, faz parte da classe C e tem entre 35 e 54 anos. Já na outra ponta estão os “Transformadores”, pessoas que valorizam o meio ambiente, são menos materialistas e buscam produtos política e ecologicamente corretos – e podem pagar mais por isso. Com 11% de participação na rede, esse grupo é composto por pessoas de 18 a 39 anos que pertencem às classes B e C.
Outro grupo que também leva em conta outros fatores ao comprar um produto são os “Conservadores”. São consumidores fiéis às marcas e não as trocam facilmente por outras. Segurança e preço são fatores que influenciam a compra desses clientes que tem entre 35 e 59 anos e representam 8% da rede de usuários da Navegg. O cluster dos “Despretensiosos”, por outro lado, não leva em conta a marca, mas preço baixo e facilidade de crédito. Para esses 12% de usuários, oferta por tempo determinado é um chamariz e assim como o grupo “Ostentação” querem entrega rápida. A classe C é a predominante para esse grupo que está na faixa etária de 18 a 35 anos.
“Com esse cruzamento, criamos um algoritmo e aplicamos em toda a rede de usuários da Navegg”, afirma Caique Lauerti, especialista de produto da Navegg. Entre os principais fatores analisados estão a experiência de compra e a atitude do usuário na rede. “Para a definição do Navegg Everyone usamos duas premissas iniciais: o fator razão/emoção na tomada de decisão e o maior ou menor poder aquisitivo”. A metodologia foi criada em um processo minucioso do qual participaram, além dos especialistas da Navegg, matemáticos, psicólogos, sociólogos, antropólogos e estatísticos.