Clique e visite a landing do Congresso ClienteSA 2022

O canal para quem respira cliente.

Sem eficiência nos processos, não há eficiência nos negócios

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Mais do que nunca mergulhadas em esforços gigantescos para sobreviver e lucrar, as empresas em todo o mundo começam a repensar a administração de suas organizações. Como já vêm ocorrendo em maior escala nos Estados Unidos e em países europeus, as companhias brasileiras passam cada vez mais a utilizar a gestão de processos (ou Business Process Management/BPM) como metodologia que irá desenvolver ao máximo os seus recursos internos, aumentar a eficiência e, conseqüentemente, os resultados gerais. Essa tendência tem sido apresentada internacionalmente nos mais importantes seminários de gestão empresarial.

Para se entender melhor como isso acontece é necessário fazer um retrospecto sobre o cenário tecnológico que marcou as últimas duas décadas. Nos anos 80 vivemos o auge da indústria de hardware, o principal motor que impulsionou a automação de muitas tarefas repetitivas. Tão dependentes dos equipamentos e dos softwares a eles vinculados, as empresas acabavam muitas vezes se tornando “reféns” dos fabricantes de computadores.

A padronização do hardware e a chegada de potentes bases de dados na década de 90 permitiram o desenvolvimento de softwares independentes dos computadores utilizados, acabando assim com a “ditadura do hardware”. Nessa época, novos atores entraram no mercado: as empresas de consultoria. Afinal, era necessário ajudar as empresas implementar softwares cada vez mais inteligentes, que além de automatizar tarefas repetitivas eram capazes de oferecer funcionalidades ligadas à estratégia do negócio.

Esta segunda etapa demandou, num curto espaço de tempo, grandes investimentos financeiros e de mão-de-obra para incorporar tecnologia sofisticada. Embora a maior parte dos projetos tenha atingido resultados positivos, ficaram porém muito abaixo do esperado. Como as empresas operam cada vez mais com plataformas tecnológicas similares, quando não iguais, o diferencial de cada uma depende cada vez mais da eficiência de seus processos e da competência de seus colaboradores. Claro que a importância das pessoas não é novidade, porém ficou encoberta pelo grande desenvolvimento da tecnologia nos últimos anos.

Agora se compreende melhor que bons desenhos operativos e suporte tecnológico de primeira linha são essenciais, porém somente trarão resultados se as pessoas os utilizarem de forma adequada. Por outra parte, o cenário atual requer um grau muito alto de colaboração entre empresas e pessoas para competir com sucesso. A formação de equipes internas e a integração com fornecedores, canais e parceiros em geral, passaram a ser fator crítico de sucesso. (“Have your workflow call my workflow” – Margie Virdell – IBM Web Services World).

A colaboração trouxe a necessidade de integração. Integração significa fazer junto, compartilhar atividades. É esta a definição de processo. Portanto, para gerenciar uma organização e a forma de trabalho atualmente é necessário gerenciar processos. (The value of IT will no longer be measured in terms of the technology but the quality of the business processes – IDS – A.W.Scheer). Portanto, quando falamos em Business Process Management, não estamos falando de tecnologia, mas em uma nova forma de empresas e colaboradores se organizarem para desempenhar suas atividades.

O sucesso será de quem melhor conseguir dispor dos quatro atributos fundamentais ao uso do conhecimento em negócios: perfil de pessoas adequado à cultura da organização; o estoque de conhecimento que deve aportar; sua integração e relacionamento na rede interna; o posicionamento e a qualidade com a qual a organização se insere na rede externa.

A movimentação das empresas em torno da gestão de processos marca, portanto, o início de uma nova era de transformação organizacional. O desafio agora é colocar a tecnologia a serviço da Gestão de Processos para mudar, organizar e motivar pessoas de forma alinhada, como exige a inovação dos negócios.

Luis Alberto Piemonte é presidente da Business Processes School, do Fórum Brasileiro de Processos e do Instituto Avançado de Desenvolvimento Intelectual (IADI). e-mail: [email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima