Setor está em crescimento

0
4


O segundo dia do IV Encontro com Presidentes foi tão bom quanto o primeiro dia, foi o que disseram os executivos presentes. Um dos momentos mais aguardados foi a primeira mesa de debate de ontem (23/11), que teve como tema “Tendências de mercado e caminhos de profissionalismo”, e contou com a presença de Kendi Sakamoto, diretor da Kendi Sakamoto Contact Center; Francisco Virgilio, diretor de operações da Altitude; Anna Zappa, diretora da Plusoft; Alexandra Periscinoto, presidente da SPCom; e James Finger, diretor-geral da DMS.

E foi James quem abriu as apresentações com a II Pesquisa do Mercado de Relacionamento com Clientes do Brasil, realizada pela DMS. Uma iniciativa da Grube Editorial e apoiada por várias empresas, a pesquisa nasceu do interesse em saber como estava o mercado. “Existia uma série de perguntas sem respostas. Muito se falava sobre o quanto esse setor era grande, mas não haviam números para mostrar isso”, afirmou o diretor da DMS durante a apresentação. Visando ter em mãos esses dados, a empresa mapeou o mercado, procurando descobrir quais tecnologias são mais utilizadas, como está a infra-estrutura das empresas e quais as perspectivas.

O estudo realizada entre setembro e outubro de 2005, contou com 630 empresas entrevistadas de todos os segmentos, sendo 80% delas consideradas de grande porte. Entre os números que a pesquisa chegou, está o de que hoje há por volta de 340 mil PA´s e 600 mil operadores. De acordo com James, esse dado vem mostrar que o mercado chegou a crescer do ano passado para esse. Outra informação apresentada foi que a maioria das empresas usam o contact center para o SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente). Já a ferramenta de contato mais utilizadas, de acordo com o estudo, é o e-mail e não o telefone. Com relação a mão-de-obra, a pesquisa revelou que a maioria dos operadores são contratados pela CLT e que, também, na maioria das vezes esses colaboradores são jovens que estão cursando o Ensino Médio. Quem aprovou a pesquisa foi Anna Zappa. “Todo esse mapeamento feito pela pesquisa é de extrema importância para o mercado. Com isso o setor sabe no que deve melhorar para chegar a excelência”, elogiou a diretora da Plusoft.

Um dos resultados da pesquisa que mais gerou discussão foi a respeito do emprego de tecnologia no relacionamento om clientes. James mostrou que 61% das empresas utilizam CRM e que 22% já estão utilizando VoIP (Voz sobre IP). “Esses números mostram o quanto o mercado tem investido em tecnologia. E o grande número de empresas que adotaram o VoIP chega a ser surpreendente”, comentou o diretor-geral da DMS.

Após a apresentação da pesquisa, foi a vez de Alexandra Periscinoto apresentar a Norma de Auto-regulamentação do Mercado de Call Center. A presidente da SPCom falou dos objetivos que fizeram as três entidades do setor – Associação Brasileira de Marketing Direto (Abemd); Associação Brasileira das Relações Empresa-Cliente (Abrarec) e Associação Brasileira de Telemarketing (ABT) – se unirem para criar a norma. De acordo com a executiva, o projeto foi feito para proteger o mercado. “Não queriamos correr o risco do governo regular nossa atividade”, explicou Alexandra. O projeto também visou mudar a imagem do setor frente a opinião pública.

A presidente da SPCom, também explicou que o código de Ética é válido para todo o setor brasileiro de call center, contact center, help desk, SAC e telemarketing, tanto operações internas, quanto nas empresas, e que ele visa reduzir ao máximo as experiências negativas de clientes com as centrais de atendimento e controlar a qualidade do serviço prestado pelas empresas que atuam no setor. Outro ponto aborado por Alexandra durante sua apresentação foi a criação de uma ouvidoria independente, onde as empresas podem ser denunciadas publicamente. Anna Zappa também considerou a norma uma medida de grande importância. “Acho que a partir dessa brilhante iniciativa quem mais vai ganhar é o próprio setor. Essa norma será importante tanto para as empresas contratadas, quanto para as contratantes, principalmente para a manutenção da qualidade no relacionamento com os clientes”, afirmou.

Quem também elogiou as duas apresentações foi o moderador da mesa, Kendi Sakamoto. Para o executivo, o setor de callcenter estava precisando dessa norma de auto-regulamentação para que ele pudesse se desenvolver ainda mais. Quanto a pesquisa, o diretor da Kendi Sakamoto Contact Center, foi enfático ao afirmar que pesquisas dessa natureza são sempre bem vindas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSetor está em crescimento
Próximo artigoO que o cliente quer?