Sua empresa sabe como inovar?

0
0

Muito se fala sobre a importância da inovação para o crescimento e o sucesso das empresas brasileiras. Entretanto, ainda são poucos os executivos que sabem iniciar e conviver com o processo inovador diariamente. Segundo Valter Pieracciani, sócio da Pieracciani,  o grande problema das corporações não é a falta de inovação e sim a falta de reconhecimento do potencial que as grandes ideias têm. “A maioria das empresas não conseguem nem identificar o surgimento da inovação, que acaba se perdendo dentro de processos burocráticos e equipes que não se comunicam”, analisa. Para mudar esse cenário, a entrada do ano pode ser o momento ideal. Pieracciani cita os dez itens mais importantes para transformar a marca em sinônimo de inovação:
PESSOAS – Estão ao centro da inovação. Assegure-se que suas equipes conheçam, de fato, as técnicas para a geração de inovações (seis chapéus, brainstorming, mapas mentais etc.). Muitos profissionais pensam que conhecem, mas poucos realmente usam e aplicam estas valiosas ferramentas na prática.
PROCESSOS – Não há inovação sistemática, repetida, sustentável, sem um caminho ou um conjunto de etapas predefinidas para que as ideias surjam e fluam até se tornarem projetos de inovação. Desenhe este caminho, pensando em como aconteceu sua última grande inovação.
AMBIENTE – Deve existir um habitat para a inovação. O ambiente físico deve privilegiar a ação integrada das equipes, a comunicação e sinergização das ideias e a criatividade. Deve ser descontraído e alegre.
RELACIONAMENTOS – Ninguém faz inovação sozinho.  A empresa deve relacionar-se ativamente com universidades, institutos de pesquisa, clientes e fornecedores, potencializando assim os resultados.      
VELOCIDADE – O mundo está “girando” muito depressa.  Tão importante quanto ser inovador é ser rápido e chegar primeiro. É por este motivo que devemos nos comparar o tempo todo a nossos concorrentes e estar seguros de que somos mais rápidos que eles.
TECNOLOGIA – É combustível valioso para a inovação.  Novas tecnologias que podem impactar diretamente nosso negócio surgem todos os dias.  Temos que acompanhá-las de perto e estarmos sempre prontos para incorporá-las em nossos negócios. 
ESTRUTURA – A inovação não sobrevive em estruturas organizacionais compartimentadas e cheias de caixinhas. Os organogramas devem assegurar flexibilidade, privilegiar a gestão de projetos e os arranjos “ad hoc”. 
INDICADORES – A sua empresa não evoluirá se não forem estabelecidos indicadores que meçam a inovação e metas. Estas devem ser permanentemente monitoradas.
VALORES – Cuidado com as diferenças entre discurso e a realidade. Na “usina de inovações”, há tolerância ao erro e afinidade com o risco. Experimenta-se mais e “benchmarkeia-se” menos.
CULTURA – Todas as condutas acima reforçarão a cultura de inovação da sua empresa, na qual arrisca-se mais, pensa-se “fora da caixa” e faz-se diferente o tempo todo.