Tempos de mudanças positivas

0
1
Por já terem nascido e crescido em contato com tecnologias e uma vida mais conectada, a geração Y apresenta um comportamento diferente dosdas anteriores. Eles são ágeis e ávidos por conhecimento. Da mesma forma, estão em uma busca constante por mudanças, quase que uma ansiedade permanente por novidades. Com isso, esse público retrata uma nova forma de vida, mais independente, impulsiva e poderosa. Isso porque ele está cada vez mais presente e atuante no mercado, tornando-se um personagem importante para as empresas, trazendo diversas transformações, obrigando uma adaptação do mundo para atendê-lo. 
Mas, ao contrário do que se pode imaginar, essas mudanças não precisam ser vistas com preocupação. Para o especialista em venda e marketing, José Ricardo Noronha, os Millennials estão modificando positivamente o mercado. “De certa forma, eles desafiam as organizações, no sentido de adequarem seus produtos e serviços a esses traços comportamentais”, explica. “Ele muda sim, porque se essa parcela é cada vez mais considerável, ela vai ser cada vez mais importante”. Por mais pareça óbvio que um negócio procure por essa adequação, já que é preciso conhecer muito bem o público-alvo e se aproximar dele para conseguir realmente conquistá-lo e fidelizá-lo, com essa geração a adaptação é diferenciada.
No caso do Millennials, por serem mais exigentes e mais bem informados, a aproximação pode não ser muito simples. Primeiro, é necessário procurar estar presente nos canais onde eles também estejam. Entretanto, nessa etapa, não basta só ter uma página nas mídias sociais, é preciso oferecer mais. Esse é um público que vive intensamente a era dos valores, ou seja, tem como objetivo fazer parte da construção de um mundo melhor. “Quem é dessa geração tem esse desejo e crença de que se pode verdadeiramente causar um impacto positivo no mundo”, avalia Noronha. Por conta disso, as marcas também precisam passar a olhar para os seus propósitos de existência, valores, missões etc. “Os clientes, principalmente os mais jovens, querem se relacionar com empresas com as quais eles se identifiquem. Congruência entre os valores, princípios e ideais, propósito e missão.” 
Então, com essa geração, busca-se hoje muito mais uma conexão emocional. Por isso, é um grupo que vem mudando tanto os hábitos de consumo. Outra mudança importante para ser considerada é que os Y valorizam, e muito, a colaboração e cooperação. Eles querem colaborar com os negócios e sociedade para construção de seu mundo. Bem como desejam cooperar com as empresas nos seus processos criativos, desejam sentir que fazem parte dela mais do que consumidores. Sendo assim, as organizações precisam buscar formas de abrirem espaços para eles. “Isso se faz através de engajamentos, provocações faz através do mundo social para se aproximar cada vez mais desse público, seja positivo ou criticamente”, afirma o especialista. 
Sempre lembrando: é um consumidor que perde a confiança facilmente. Como ele se relaciona com diversas marcas, basta ter perda de contato, não agradá-lo, não ser coerente ou não ter valores em comum, que procurará pelo concorrente que o mais satisfaça. “Invista no propósito, na existência da empresa e quanto mais verdadeiro, mais irá se conectar com os traços desses jovens”, aconselha. “Nos Estados Unidos, acredita-se que até 2017 os Millennials vão consumir, sozinhos, US$ 200 bilhões por ano. As empresas precisam olhar para esses pontos de atenção, mostrar que querem fazer parte do mundo deles e que estão do seu lado.”