O canal para quem respira cliente.

Vendas nos supermercados crescem em maio

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



As vendas reais do setor supermercadista em maio de 2009 subiram 4,01%, em relação ao mesmo mês de 2008, de acordo com o Índice Nacional de Vendas, divulgado mensalmente pela Abras – Associação Brasileira de Supermercados. Em comparação a abril de 2009, houve queda de 4,12%. No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, em comparação ao mesmo período do ano passado, a alta chega a 5,36%. Em valores nominais, o Índice de Vendas da Abras apresentou crescimento de 9,42% em relação ao mesmo mês do ano anterior e queda de 3,67% sobre o mês anterior. Já o acumulado do período ficou em 11,27%.


“A queda nas vendas de maio, em comparação a abril, já era esperada, por conta do efeito do calendário. Afinal, a Páscoa desse ano – a segunda melhor data para os supermercadistas – caiu em abril. Já em comparação ao mesmo período de 2008, é possível observar que ainda mantemos um bom nível de crescimento de vendas. O acumulado de janeiro a maio desse ano continua acima de 5%, o que sinaliza que os consumidores brasileiros não diminuíram as compras nos supermercados”, explica o presidente da Abras, Sussumu Honda.

 

Valores – Em maio, o AbrasMercado, cesta de 35 produtos de largo consumo, analisada pela GfK, apresentou alta de 2,24%, em relação ao mês anterior. Já na comparação com maio de 2008, o AbrasMercado apresentou alta de 7,26%, passando de R$ 246,67 para R$ 264,59. Os produtos com as maiores altas foram: batata, com 21,04%; leite longa vida, com 14,31%; e queijo mussarela, com 9,04%. Já os produtos com as maiores quedas foram: feijão, com -6,12%; pernil, com -3,57%; e farinha de trigo, com -3,28%.

 

“Nos últimos três meses, o AbrasMercado vinha crescendo menos do que o IPCA, em um processo natural de redução dos preços após a alta registrada no preço dos alimentos no início de 2008. Em maio, o AbrasMercado mostrou um aumento de 2,24%, bem acima do IPCA, que ficou em 0,47%. É importante ficar de olho. Nossas últimas pesquisas mostraram claramente que caem as vendas de produtos cujos preços sobem demais”, alerta Sussumu Honda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima