A bolha da cobrança

0
3
Autora: Ariane Abreu 
O que é pior: ter um débito e não conseguir quitá-lo ou nem saber ao certo o significado de “estar endividado”? Esse, infelizmente, parece ser o cenário da família brasileira. Passada a bolha imobiliária, vem aí à bolha da cobrança. Sua empresa está preparada?
Segundo levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo portal de educação financeira Meu Bolso Feliz, 86% dos brasileiros com controle formal de seus ganhos e gastos não se consideram endividados. Na prática, esse termo se refere a “pessoas com parcelas a vencer, de compras divididas ou empréstimos realizados”. O número cai para 66% quando falamos de quem não tem controle financeiro. Por isso, segundo os economistas do instituto, 73% não sabem ao certo se pertencem a essa estatística ou não.
Outro ponto interessante da pesquisa diz respeito às causas das contas atrasadas. Cerca de 54% dos consumidores não quitaram suas pendências por falta de planejamento e a disponibilidade fácil de crédito. Além disso, 53% dos inadimplentes já tiveram o nome sujo mais de uma vez. Ou seja: a ação de dever é algo recorrente na maioria dos casos.
Com a alta na inflação e possível crescimento no desemprego – como já vemos na indústria e construção civil – os números negativos devem crescer cada vez mais. Como resultado, as assessorias de cobrança e recuperação de crédito precisam se preparar para a explosão de demanda sem aumentar os seus próprios custos, é claro. Afinal, elas também fazem parte do momento difícil pelo qual todos estão passando. 
Uma das principais alternativas para aumentar a produtividade e reduzir os custos é investir em soluções tecnológicas. Apenas para citar um exemplo, com o discador o desempenho de toda a equipe é otimizado, pois são eliminadas as três primeiras etapas improdutivas de uma operação: a busca de um cliente, a discagem e o contato não efetivo (não atende, ocupado, números inválidos e secretária eletrônica).
Qualquer país sempre terá desafios econômicos, pois esse setor se modifica constantemente, não só por variáveis internas, como também externas. A grande questão é: sua empresa está preparada para lidar com todo tipo de cenário, seja ele bom ou ruim? Com uma tecnologia de ponta e profissionais capacitados, a resposta tende a ser sempre “sim”.
Ariane Abreu é Diretora Comercial da Total IP