Gestão participativa

0
40

Com o processo de cobrança cada vez mais delicado, as empresas precisam treinar e valorizar o profissional para que a função seja feita de forma correta. O diretor de operações da Rennov, Arnaldo Angeramis Filho, afirma que é importante estabelecer uma relação da empresa com os colaboradores para que os mesmos trabalhem motivados. “Como uma de nossas estratégias de crescimento, adotamos a gestão participativa. Assim o colaborador passa a ter um compromisso maior com a organização, o que faz com que tenha muitas expectativas com relação ao seu próprio desempenho, envolvendo suas motivações, seu profissionalismo e sua contribuição para o êxito da empresa”, afirma.
Segundo ele, o gestor tem como objetivo aumentar o comprometimento de sua equipe e deve trabalhar por meio de uma liderança participativa, em que os supervisores e operadores participam da decisão sobre processos e assuntos que os afetam na empresa. “Essa atitude reforça a importância de cada um dentro dos objetivos desejados”, completa. Para ele, o ambiente saudável e o clima organizacional da empresa, contribuem para a valorização do profissional.
Além da boa relação entre os funcionários, Angeramis Filho destaca que é importante a participação direta do supervisor no dia a dia do profissional de cobrança, orientando-o e incentivando-o em todo o processo, para assim, cumprir seu papel no planejamento estratégico com paciência, humildade e perseverança. “O operador deve ser motivado constantemente a produzir suas metas e acreditar que seu esforço resultará em uma boa avaliação e consequentemente em recompensas que satisfarão suas metas pessoais (benefícios, premiação, treinamento e plano de carreira)”, diz. 
O diretor reconhece a importância do profissional de cobrança, mas atenta para o fato de que, para o processo ocorrer efetivamente, deve ser feito com a contribuição de outras áreas, e isso é mais um motivo por prezar pelo bom relacionamento da empresa e funcionários. “Tudo tem que estar conectado, as áreas de suporte como TI, BackOffice, MIS, RH e Diretoria precisam efetivamente fazer parte deste processo, para que sua atuação seja completa”, conclui.