Passos seguros em 2016!

0
8

A crise econômica, que se fortaleceu em 2015, fez o índice de inadimplência aumentar, influenciado principalmente pelo aumento do desemprego, maiores taxas de juros e o cenário de restrição econômica. Entretanto, para 2016, esse quadro deve ser um pouco menos drástico. Na opinião do diretor de economia da Anefac, Roberto Vertamatti, a expectativa é de que a inadimplência não aumente tanto, continuando nos patamares atuais, já considerados altos. Por conta do risco do desemprego, que deve aumentar esse ano, e o fato de as instituições financeiras estarem mais restritas na concessão de crédito, o índice de inadimplentes não deve crescer muito, segundo o especialista.

Ainda assim ele coloca a renda familiar, que não conseguirá acompanhar o aumento da inflação, e o desemprego que deve crescer ainda mais este ano como principais causadores da inadimplência este ano. Por conta disso, na opinião do especialista, os consumidores devem estar mais atentos e evitando gastos, consumindo apenas bens de primeira necessidade, o que deve ser refletido no setor do comércio. Já por parte das instituições financeiras o desafio é conceder crédito para a pessoa certa, com o menor risco possível. Vertamatti vê esse o momento de tornar a liberação de crédito mais consistente e se tornar ainda mais rígido e persistente nas operações de cobrança.

Apesar de todos os pontos negativos, a crise econômica pode ser vista como um momento de mudanças, que podem ser positivas no futuro, na visão do diretor da Anefac. “Tanto empresas quanto consumidores devem aproveitar esse momento ruim da economia para revisar procedimentos. Agora é a hora de cancelar e alterar processos. Aquelas empresas que melhor se ajustarem à crise, melhor se sairão quando a crise passar”, afirma.