Radiografia do endividamento nacional

0
3

Os brasileiros estão mais endividados mas, nem por isso deixam de pagar suas contas. De acordo com a “Radiografia do Endividamento das Famílias Brasileiras”, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo, FecomercioSP, 62,5% das famílias (cerca de 525 mil) estão endividadas, um crescimento de 6,39% entre 2010 e 2011. 
Nas capitais, o volume da dívida também aumentou em 11,57%. Em 2010, as famílias deviam R$ 145,1 bilhões e agora este montante é de R$ 161,9 bilhões, ou R$ 13,5 bilhões por mês. Por outro lado, o rendimento das famílias endividadas cresceu 11,7%, saltando de R$ 491,5 bilhões para R$ 549,2 bilhões, ou R$ 45,8 bilhões por mês. O que permitiu ao brasileiro aumentar a dívida sem ampliar a parcela da renda comprometida com esta. Ao contrário, houve uma ligeira redução neste quesito. O recuo foi de somente 0,04 ponto porcentual (p.p.),o que pode ser, a rigor, considerado como estabilidade na relação dívida/renda, mas demonstra que as famílias estão aprendendo a administrar melhor a renda. 
Prova disto é que a relação dívida/renda é de 29,5%, enquanto os economistas mais conservadores afirmam que é saudável ter até um terço da renda comprometida com dívidas. Outros resultados positivos detectados pela FecomercioSP foram a redução de 2 p.p. no número de famílias inadimplentes, que hoje representam somente 22,9% do total, e a retração de 0,9 p.p. no total de famílias que afirmam não ter condições de pagar total ou parcialmente suas dívidas, que hoje são 8% da população.
O destaque negativo foi o aumento de 2,4 p.p. na taxa de juros – que também pode ser encarada como o preço do crédito – na média nacional computada pelo Banco Central (BC), que custou às famílias um desembolso adicional de R$ 42,3 bilhões no ano. No total, foram R$ 183,5 bilhões gastos com juros, somente nas capitais brasileiras. Montante poderia ter ampliado o consumo das famílias e, consequentemente, alimentado à cadeia produtiva, estimulado a geração de emprego e renda e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).
Se considerados os números absolutos, São Paulo é a capital com maior quantidade de famílias endividadas. Das 3.580.341 famílias na capital paulista, 1.667.227 (47%) têm dívidas. Apesar da quantidade expressiva, a capital paulista viu o total de endividados recuar 0,27%, o que corresponde a pouco mais de 4,5 mil famílias. Número dentro da margem de erro.