E agora, o que fazer para dar um novo salto?

0
8


Presidentes e donos de empresas são pessoas que pelas suas características de personalidade (pró-atividade, iniciativa, persistência…) estão mais dispostas a falar, a emitir opiniões do que a ouvir. Entende-se esta característica como a própria razão de estarem onde estão. Sair do “lugar comum” e alcançar o topo de uma organização – quer seja o fundador de um negócio, quer tenha alcançado a posição dentro de uma empresa existente – requer extraordinárias auto-estima e capacidade de vencer obstáculos! Muitas vezes esta posição é alcançada pela pura persistência e objetividade!

Ao alcançar o topo, depois de uma geralmente longa e desgastante jornada (não raramente com perdas ou seqüelas na vida familiar), o executivo percebe que se encontra só nesta posição. Da mesma maneira, o criador de um novo negócio, depois de passar pela fase de sobrevivência e pela luta da consolidação, encontra-se agora diante de um novo dilema: como manter o negócio com vida e com expansão necessárias não só para combater a crescente concorrência como também para proporcionar motivação permanente para os seus funcionários e colaboradores.

Neste momento, tanto o presidente executivo como o dono se dão conta (alguns de forma explicita, outros de forma inconsciente) que estão sós. Esta sensação de solidão é então compartilhada “em fatias”. Ou seja, ele troca informações e sensações com várias pessoas que o cercam, individualmente: o amigo, a companheira, o consultor, o fornecedor, o cliente etc.. Em cada uma destas conversas, expõe parte do todo pois em cada uma delas existe um interlocutor com um conhecimento e grau de relacionamento diferentes. Desta forma, a mesma questão fundamental é tratada “caso a caso”. E, nesse momento, a necessidade do homem de comunicar-se, colocar-se no lugar do outro; pulverizar idéias antigas; reavaliar crenças e valores; transmutar-se e escolher os caminhos mais viáveis, para a efetivação dos seus objetivos e metas pessoais e empresariais fica em aberto.

Essa necessidade motivou, há alguns anos, o aparecimento no Brasil de uma experiência já existente nos EUA, deste o final da 2a Guerra Mundial. Nela, grupos de presidentes e donos de empresas com algumas características especiais: não concorrentes, não fornecedores, não clientes, sem nenhum relacionamento prévio e na qual os assuntos são mantidos em estrita confidencialidade, passaram a ser criados. Os participantes não se conhecem previamente e são escolhidos de acordo com a sua experiência, tipo de negócio e momento de vida.

As reuniões tem freqüência mensal e duração de 5 horas (uma manhã). Pela característica dos participantes (em numero máximo de 15 por grupo) a função do coordenador (um “igual” mas não um par) é dar aos participantes tempos iguais para expor suas idéias e questões. Desta maneira , em um ambiente em que todos são iguais cada participante aprende a ouvir mais do que a falar, o que é um exercício incomum para a maioria destes profissionais (normalmente, em suas funções, se acostumaram mais a falar do que a ouvir).

Este relacionamento com pares e não competidores dento de um ambiente de estrita confidencialidade permite a abertura de temas para um mesmo grupo jamais anteriormente expostos. O feedback recebido é imparcial e absolutamente sincero pois não existe qualquer interesse envolvido. O aspecto “atemporal” deste relacionamento (os grupos se formam porém não tem prazo para terminar) – não raro grupos existem durante mais de 10 anos – favorece também a opinião “sem qualquer interesse” de todos os participantes. Talvez essa represente uma saída para um problema que afeta indistintamente todos os gestores e responsáveis pelas decisões finais.

André E. Kaufmann é presidente e coordenador de atividades do Renaissance Executive Fórums no Brasil. Email: [email protected]