Fazer diferente dói muito?

0
0

A frase “Como você quer ter resultados diferentes se faz tudo sempre igual” de Albert Einstein deveria estar na mente de todos profissionais e empresas que buscam ter números diferentes daqueles que alcançam todo ano. Mas fazer diferente deve doer muito, afinal poucas mudam!


Mudar traz para a maioria das pessoas um sentimento de inconveniência, aquele incomodo de ter que reaprender novos processos, mudar o cotidiano. Algumas empresas fazem todo ano aquele “me engana que eu gosto”; isto é, dizem que mudaram, que os processos foram redesenhados, que consultorias foram contratadas, que muitos estudos foram realizados e que tudo será diferente. Porém, quando o ano começa, o “inconveniente de mudança” ataca e os colaboradores não querem mudar, voltando tudo ao que era antes.


Não é um problema dos profissionais, é do ser humano. Somos resistentes a mudar, mesmo que pareça que vai ser melhor. Você deve estar discordando, então vamos a alguns exemplos:


1. Outro banco te liga oferecendo serviços melhores do que o seu que já esta com você há mais de 10 anos. Você muda de banco?


2. A sua lavadeira mancha sua camisa favorita com água sanitária pela décima vez. Você a dispensa na hora?


3. Você participa de uma reunião em sua empresa e os outros gerentes pedem para você modificar todos os processos internos que implantou em 2013. Você acata e muda tudo?


Se a resposta for sim para as três perguntas, você esta pronto para mudar. Mas se responder pelo menos um não, você é resistente a mudanças. Não se apavore! A maioria das pessoas acredita que mudar dá muito trabalho e, com isso, ficam tendo como resultados sempre a mesma coisa!


Se desejar mudar ou se precisar, siga alguns passos básicos. Reúna os funcionários em um workshop e peça para que respondam três perguntas básicas (o que fizemos bem em 2013?; o que fizemos mal em 2013?; e o que podemos fazer para melhorar em 2014?), primeiro individualmente, depois em grupos e ao final tire uma conclusão geral. Depois, reúna alguns dos clientes mais importantes e repita as mesmas perguntas.
Se acreditar que precisa de ajuda, contrate um consultor para ajudá-lo. Mesmo que não queira mudar nada, faça esse exercício, ao final terá uma bela fotografia de como está a empresa.


O mundo é um mar de oportunidades, mas você precisa saber nadar!


Marcos Fabio Mazza é gerente de projetos de integração Supply & Business na Syngenta.


Visite o Blog Gestão de Clientes http://blogclientesa.clientesa.com.br/gestaodeclientes