Interactive Inteligence mira crescimento no Brasil

0
2


Uma plataforma flexível e multicanal, aplicável a diversos mercados, foi a aposta da norte-americana Interactive Intelligence para se destacar no primeiro ano de operação no Brasil, segundo Joe Staples, vice-presidente de marketing e estratégia. “Nosso principal diferencial é que a solução Customer Interaction Center tem uma visão ´all-in-one´, ou seja, agrega múltiplos serviços dentro do mesmo núcleo”, aponta. Para isso, um dos principais desafios da empresa é a divulgação da marca.  “Temos um planejamento forte na área de marketing”, conta Eric Lieb, country manager da Interactive Intelligence para o Brasil. Outro foco são os canais de distribuição, que a empresa pretende dobrar em 2012. “Vamos atrás de parceiros que tenham valor agregado, conhecimento e experiência para ampliar a nossa atuação”, reforça Liebl.

Dando continuidade ao trabalho realizado no primeiro ano, a empresa pretende aumentar ainda mais a presença no Brasil. O País faz parte de uma estratégia global da companhia de investir em economias que estão crescendo e possuem alta demanda tecnológica, entre os quais também estão Reino Unido, Alemanha, EUA e Austrália, de acordo com Staples. “Dentro dos maiores mercados internacionais que a empresa está investindo, o Brasil é um dos principais focos. Com isso, já estamos expandindo a nossa equipe”, explica Liebl.

Uma das novidades da Interactive Inteligence para 2012 é a oferta de soluções em ´cloud´, com o CAS, Communication As a Service. “Os clientes terão a possibilidade de utilizar a nossa plataforma em forma de um serviço totalmente hospedado ou híbrido, conforme a necessidade”, explica Lieb. Outro plano da empresa é focar no mercado de seguros, com uma estratégia de automação de processos. “Mundialmente a empresa está desenvolvendo um foco bastante intenso nesse setor refletindo também na nossa operação”, conta Lieb.

Porém, a grande aposta está no lançamento da versão 4.0 da suíte no Brasil. “Ele possui uma série de novos recursos em termos de funcionalidade, com escalas maiores do que o produto anterior”, conclui Staples. A nova solução automatiza as funções do contact center, do controle das horas trabalhadas pelo atendente às vendas realizadas por hora e por linha de produtos, além de gravação de telas e voz, supervisão, relatórios, roteamento inteligente, discagem preditiva e monitoria de qualidade. De acordo com Lieb, a nova versão do CIC é uma combinação de importantes novos recursos e revisão da arquitetura de toda a plataforma.

Skype nos contact centers
Solução da Altitude possibilita oferecer chamadas gratuitas e gerenciar as ligações realizadas pelo programa

De olho no avanço da comunicação via web, a Altitude anuncia a disponibilidade do Altitude uCIT para contact centers que desejam gerenciar e oferecer aos clientes chamadas por meio do Skype. A solução permite configurar números globais para ligações gratuitas e fornece a conveniência do Click-to-Call na web.
Possibilita ainda identificar e aplicar regras para chamadas recebidas, aplicar roteamento inteligente, monitorar, gravar e oferecer relatórios, além de utilizar informações de ligações em conjunto com os aplicativos de CRM e WFM. “O Skype tem alto potencial como canal de interação com o cliente se devidamente gerenciado”, afirma Miguel Lopes, vice-presidente de marketing da Altitude. Utilizando o Altitude uCIT e o Altitude vBox, os contact centers podem integrar e utilizar o programa para oferecer conveniência extra e melhores serviços aos clientes. No final de 2010, o Skype tinha 630 milhões de usuários registrados, um aumento de 20% em relação ao ano anterior.
 

Acesso simplificado às informações estratégicas
Amdocs lança sistema para facilitar integração do atendimento com os sistemas back-end

Com ferramentas intuitivas, a nova versão da solução de gestão de cliente da Amdocs foi desenvolvida para permitir uma responda mais rápida aos clientes. O Amdocs CM 8.1 traz interface simplificada aos agentes das centrais de atendimento e lojas de varejo – inclusive com suporte via tablet, ferramentas para lidar com o crescente volume de chamadas feitas por smartphones e automatização do processo de recebimento de pedidos. “Melhorar a experiência do cliente não significa necessariamente aumentar os custos”, afirma Rebecca Prudhomme, vice-presidente da divisão de marketing de produtos e soluções da Amdocs. De acordo com ela, a simplificação da interface de usuários, melhor integração com os sistemas back-end e o acesso a informações relevantes no momento certo ajuda os agentes, em todos os canais de atendimento ao cliente, a prestar um serviço melhor. “Isso resulta na redução dos custos operacionais das operadoras”, conclui.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAtendimento customizado, cliente fiel
Próximo artigoA volta por cima