A volta dos “nerds” excêntricos

Coluna Econômica da Agência Dinheiro Vivo:

A nova bolha da Internet norte-americana está atingindo níveis de especulação à altura da primeira grande bolha, no início da década.

Uma empresa de aluguel de quartos – isso: aluguel de quartos! – a Airbnb levantou US$ 100 milhões no mercado, para uma avaliação inicial de US$ 1 bilhão. E está montando uma esbórnia com dinheiro dos investidores.

Acaba de um pedaço de avião da Pan Am para fazer uma outra ala. A nova sede tem uma sala de estar em uma casa em cima da árvore, chamada de Domo Mushroom, com uma área de cochilo no andar de cima. Ou seja, um duplex sobre uma árvore.

Para estimular os funcionários e iludir investidores, inventou vários happenings – da mesmíssima maneira da bolha anterior, em que se montava uma start-up (empresa nova), contratava um “nerd” excêntrico, indisciplinado e com cara de gênio e ia-se atrás dos investidores.

Na versão segunda rodada de bolha, as excentricidades voltaram como parte integrante do modelo.

Na segunda-feira, na Airbnb todos usam bigode de mentira; na terça, aulas de Yoga; na quinta, jogos com bola e degustação gourmet.

Ontem, o The Wall Street Journal trouxe matéria sobre essa incrível Airbnb e a nova geração de “nerds.

Segundo o jornal, há algumas star-ups festejando o lançamento como se estivessem em pleno 1999.

Há uma farra ampla com dinheiro do investidor. No mês passado, as start-ups Peanut Labs Inc. e AdParlor Inc. patrocinaram o lançamento de um filme pagando US$ 600 por pessoa. Desenvolvedores estão sendo contratados a peso de ouro e cobertos de regalias.

Muitas dessas empresas se transformaram em verdadeiros acampamentos juvenis, onde a rapaziada para o trabalho para tocar guitarra ou competir em jogos eletrônicos.

É possível que excentricidades como essa levem ao descrédito toda cadeia de valor das novas empresas tecnológicas.

Segundo Marcelo Ballona, analista brasileiro residente nos Estados Unidos, alguns analistas já apostam no fracasso do IPO do Zynga como o deflagrador do estouro da nova bolha tecnológica.

É uma empresa especializada em jogos online que tem no “FarmVille” seu campeão de vendas.

A empresa pretende levantar US$ 2 bilhões em um IPO em que se valor está fixado em US$ 20 bilhões – mais que o valor de mercado do Yahoo.

Tudo isso reflete os problemas da política econômica norte-americana pós-crise de 2008.

Havia duas maneiras de se combater a crise. A primeira, resolvendo a questão do endividamento das famílias e atuando sobre a produção. A segunda – vitoriosa -, injetando uma dinheirama no sistema bancário, para impedir sua quebradeira.

Com a economia fraquejando, o dinheiro não circulou na produção. Ficou empoçado, no início. Depois, passou a buscar mercados especulativos – commodities, moedas e, agora, a nova bolha tecnológica.

Quando a bolha estourar, os estragos não serão tão amplos quando no início da década, quando somou-se à bolha da Internet outras bolhas até maiores, como das telecomunicações.

De qualquer modo, comprova que não há crise que deixe lições definitivas. Quando há excesso de dinheiro circulando, repetem-se todos os pecados da especulação.