Como Google funciona – IV



O post anterior deixou no ar a provocação: o que e quanto Google sabe sobre a gente?


A resposta: muito. Google mantém registro de buscas, inclusive arquivando as buscas particulares que fazemos baseados em nosso endereço IP ou login. Ou seja, podem perfeitamente saber o que nos interessa, o que nos aborrece, o que nos excita, o que nos assusta. Imaginou o potencial de marketing? Imaginou a construção de perfis detalhados de cada indíviduo? Imaginou o que pode valer em informação para marketing de todo tipo?


Além das buscas, Google mantém registros também do uso que fazemos de outros serviços. Gmail, por exemplo. Eles podem obter o mesmo tipo de informação que obtêm nas buscas, e descobrir quem são seus amigos e colaboradores. E, no caso do Google Docs, vão saber com que você trabalha e em que projetos. Maps, Agenda, Checkout, tudo pode ser fonte de informação.


Na verdade, você pode estar transmitindo informações para Google mesmo sem saber, pois eles colecionam – como outros serviços da Internet, aliás – o seu endereço IP e possivelmente o endereço MAC. Dessa forma, ficam sabendo não só o que você está buscando e com quem está se comunicando, mas também onde você está e que máquina ou máquinas está usando.


Claro que esse tipo de informação não está disponível apenas para Google. A diferença está no tamanho do banco de dados e na diversidade dos serviços, que permite a eles observarem as pessoas em um número maior de contextos do que qualquer outro.


No próximo post, vou falar do que Google pode fazer.