Como a ciência de dados capacita o marketing de performance e SEM

É preciso descobrir técnicas analíticas para transformar os dados disponíveis em insights acionáveis  

Ao
longo da última década, a vida do profissional de marketing de
mecanismos de busca se concentrou em aplicativos de dados e inteligência
artificial (IA). Debates e diálogos sobre subconjuntos de IA,
aprendizado de máquina e ciência de dados e como exatamente eles afetam o
funcionamento do setor continuam se multiplicando, o que não é
surpreendente, considerando a quantidade realmente impressionante de
dados que estamos criando a cada minuto do dia e o fato de que o ritmo
com o qual estamos fazendo isso está acelerando com o crescimento da
Internet das Coisas (IoT). Executivos e profissionais precisam descobrir
técnicas analíticas para transformar os dados disponíveis em insights
acionáveis. Quanto mais se sabe sobre seus negócios, melhor a tomada de
decisão e o desempenho.

Em um estudo conduzido por Andrew
McAfee e Erik Brynjolfsson com Harvard Business Review e MIT, foi
revelado que “empresas no terço superior de sua indústria no uso de
tomada de decisão orientada a dados eram, em média, 5% mais produtivas e
6% mais rentáveis que seus concorrentes”. Os profissionais de marketing
de performance podem tirar proveito disso para automatizar alguns de
seus processos e gerar resultados de negócios significativamente
melhores.À medida que a esfera e a prática do marketing de mecanismos de
pesquisa amadurecem e se expandem, o gerenciamento de um programa e a
realização de lances manualmente com planilhas tornaram-se imensamente
ineficientes.Até as plataformas de primeira geração que dominam o
ecossistema há anos, aquelas com infraestrutura básica herdada, estão
ficando para trás das soluções inovadoras que são totalmente equipadas
com técnicas de ciência de dados em uma escala maior e mais sofisticada.
Em relação a SEM , o emprego da ciência de dados, seja por meio de uma
plataforma de terceiros ou de ferramentas internas proprietárias, sem
dúvida levará a uma melhoria direta no desempenho das campanhas. A
pegada digital que os clientes deixam para trás através de seus hábitos
diários de pesquisa mostra um retrato preciso de seus desejos,
necessidades e interesses. A análise preditiva pode traduzir esses dados
e segmentar o comportamento do cliente. Isso pode ser usado para prever
a probabilidade de uma conversão – seja a compra de um produto ou o
preenchimento de um formulário. Armado com essas informações, os
profissionais de marketing podem fazer lances com mais precisão e
eliminar bolsões de gastos desperdiçados. Fonte: SearchEngineJournal

Facebook amplia seu pool de namoro

Nesta
quinta-feira, 5/9, o Facebook estreará o Facebook Dating nos EUA,
depois de oferecê-lo por menos de um ano em alguns outros países. A
empresa também está finalmente integrando o serviço de namoro com o
Instagram, relata Kia Kokalitcheva da Axios. Por que importa? O Facebook
tem 2,4 bilhões de usuários em todo o mundo e espera que um serviço de
namoro os mantenha por mais tempo. A geração millenial — sem dúvida, o
grupo mais cobiçado por aplicativos de namoro — tem levado cada vez
mais seu tempo para o Instagram, em vez do principal aplicativo do
Facebook, e muitos já o usam organicamente para entrar em contato ou
serem notados por possíveis parceiros. Em outras palavras: já é o
aplicativo de namoro online de fato dos millennials. O papel do
Instagram no serviço de namoro do Facebook ficará limitado, por
enquanto, a um recurso de “paixão secreta” e permitirá que os usuários
vinculem fotos selecionadas do aplicativo aos seus perfis de namoro (um
recurso que os rivais como Tinder e Bumble já oferecem). Agora, os
usuários podem declarar uma “paixão secreta” pelos seguidores do
Instagram e pelos amigos do Facebook e ser notificados se houver uma
correspondência mútua. Isso só funciona, é claro, com seguidores e
amigos que também se inscreveram no produto de namoro do Facebook (e,
portanto, também têm uma conta no Facebook). Fonte: Axios

IAB Tech Lab propõe substituto para rastreamento por cookies

À
medida que as preocupações com a privacidade aumentam, o IAB Tech Lab
propõe um identificador padronizado através do qual os consumidores
indicariam suas preferências de privacidade de dados para sites e outras
partes em publicidade digital. Esse mecanismo baseado em token
substituiria as abordagens baseadas em cookies e, de acordo com Jordan
Mitchell, da IAB Tech Lab, seria desenvolvido com anunciantes,
operadores de navegadores, editores e outros como “um utilitário
público” e exigiria conformidade com a privacidade. Fonte: CNET