Entrega, onde se ganha a guerra no ecommerce. E outras batalhas

ShopRunner acena para participantes do Amazon Prime com um ano grátis

A Amazon enviou na quinta-feira, 13/3, um email aos participantes do serviço Prime, anunciando um aumento no preço de sua assinatura anual, de US$ 79 para US$ 99. ShopRunner, um serviço diretamente concorrente do Prime, não perdeu tempo: no mesmo dia, publicou no seu site e divulgou para a imprensa que os participantes insatisfeitos do programa da Amazon têm direito a um ano grátis do seu serviço de entrega em dois dias. A ShopRunner é o que se chama um serviço de “click-and-collect” – entrega compras de uma série de varejistas online, incluindo PetSmart, Neiman Marcus e Toys R Us. Não há pedidos mínimos e devoluções são gratuitas.Fonte: GeekWire

Não ter todas as respostas pode ser a resposta

Não há nada de errado em admitir que você não tem todas as respostas. Essa é a opinião de Jason Freedman, co-fundador da 42Floors.com, startup que facilita o processo de empresas encontrarem escritórios para alugar e que opera em Nova York e San Francisco. Segundo ele escreveu no blog da empresa, se você estiver realizando entrevistas de emprego, apresentando sua startup para investidores, ou falando com o pessoal de TI, admitir lacunas em seu conhecimento pode lhe dar poder e não o contrário, como muita gente pensa. “Se você tem a honestidade de dizer ‘eu não sei’, provavelmente vai ganhar a confiança de um monte de gente”, assegura. Fonte: TheNextWeb

Empresa japonesa oferece soluções de monetização para mobile com links pagos

A Linkify com sede em Tóquio lançou um kit de desenvolvimento de software para iOS e Android que permite aos desenvolvedores usarem palavras-chave e análise gráfica para links pagos dentro de conteúdos. O SDK pode ser implementado simplesmente colando o código JavaScript nos websites. O código fica hospedado nos servidores da Linkify. “Atualmente, nós fornecemos os métodos de monetização usando o Google AdSense e o Amazon Associates”, explicou Ikuya Yamada, co-fundador e CTO da Linkify ao site ProgrammableWeb.. “Os desenvolvedores podem usar as URLs afiliadas no widget exibido quando clicam em uma palavra-chave ´linkificada´”, disse Yamada. “Achamos que esses métodos de monetização são especialmente adequados para os leitores de notícias, sites e mídias sociais”. Fonte: ProgrammableWeb

Startup lança maneira mais fácil de escanear impressões digitais por smartphones

A Apple lançou no ano passado, junto com o iPhone 5s, um leitor de impressões digitais, o Touch ID. Para isso, teve quase que fazer mágica: o sensor tem 170 mícrons de espessura, que é pouco mais do que um cabelo humano e o botão é feito de cristal de safira, “um dos mais claros, mais duros materiais disponíveis”, segundo o site da Apple. E há realmente um pouco de magia no toque capacitivo, na fotografia subepidérmica e no trabalho de análise de dados para determinar se a sua impressão digital é da variedade arco, laço ou espiral.

Um trabalho tecnológico impressionante – mas será que é realmente necessário? Uma pequena empresa sediada em Huntsville, Alabama, acredita que pode replicar as maravilhas do Touch ID com uma abordagem muito mais simples. A tecnologia da IDair usa as câmeras existentes em smartphones, juntamente com o seu próprio software, para tirar fotos dos dedos dos usuários e retirar suas impressões digitais a partir desses arquivos. O processo baseia-se em um algoritmo que a empresa patenteou e que transforma a imagem em um meio útil de identificação. “Nós convertemos a imagem de baixo contraste em uma impressão digital do nível de qualidade do FBI em um segundo ou menos”, diz Jim Cantrell, diretor executivo da IDair. A Advanced Optical Systems desenvolveu a tecnologia original. Entre outros projetos, a AOS tem trabalhado em processamento de imagens para o governo. Seu software é usado em operações de defesa, analisando, por exemplo, a imagem de uma grande área e determinando se há um tanque escondido em um grupo de árvores. A empresa também vende um dispositivo chamado AirPrint , um sensor que pode ler uma impressão digital a partir de uma distância de 3 metros (9,8 pés). A IDair foi formada para transformar essas invenções em produtos comerciais. A empresa lançou recentemente um kit de desenvolvimento de software que programadores de iPhone e Android podem usar para adicionar a tecnologia de impressão digital nos seus apps. A ideia é que o reconhecimento de impressão digital é uma maneira mais fácil, mais seguro para a entrada de dados sensíveis em seu telefone. “Vamos colocá-lo em laptops também”, diz Cantrell. “Há muitos lugares onde este algoritmo pode ir.” Fonte: Bloomberg

Todas as notícias acima foram publicadas no Diretinhas da Abemd. Leia mais no Portal Abemd