O canal para quem respira cliente.

Estudo: jogadores que pagam para jogar já são maioria no Brasil. E mais

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Estudo: jogadores que pagam para jogar já são maioria no Brasil

Transformando wi-fi em energia limpa. Veja como abaixo

Um estudo recente da empresa SuperData Research destacou o Brasil como líder de mercado de jogos digitais da América Latina, que é estimado em US$ 3,9 bilhões. Com receitas de US$ 1,4 bilhão, o país é o quinto maior mercado de jogo do mundo, incluindo receitas de download de conteúdo em PCs e consoles, jogos para celular e jogos em rede sociais. De acordo com o mesmo estudo, a grande população do Brasil e a alta taxa de penetração da Internet permitem prever o crescimento do mercado de jogos no Brasil em taxas de 74 % nos próximos dois anos. Do lado do consumidor, um estudo de setembro 2013 feito pela ESPM, em parceria com a empresa de pesquisa Blend New Research e a desenvolvedora de jogos Sioux descobriu que a maioria dos jogadores digitais no Brasil, 53%, pagou por download de jogos. Entre aqueles que pagaram para baixar e jogar um jogo, 86% disseram que estavam satisfeitos com a compra e 65% até consideraram os preços razoáveis ou baratos, o que sugere um alto potencial de clientes recorrentes entre os compradores de jogos digitais no Brasil. O estudo também mostrou que 77% dos gamers digital no país estão dispostos a jogar jogos apoiados por anúncios, indicando oportunidades de monetização adicionais para a indústria no Brasil. Fonte: eMarketer (via Portal Abemd)

Dispositivo criado nos EUA transforma Wi-Fi em energia limpa

Pesquisadores da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, desenvolveram um novo dispositivo que converte o Wi-Fi e outros sinais de micro-ondas em energia limpa, utilizando apenas materiais de baixo custo. O surpreendente método de geração de energia obteve sucesso durante os testes, e, agora, esforços vêm sendo realizados para aprimorar a tecnologia e torná-la acessível à população. Em vez de “roubar” o wireless da vizinhança para navegar na internet, muita gente vai começar a aproveitar as ondas de transmissão para conseguir energia, independentemente da rede de distribuição elétrica – seja para situações de emergência, apagões, ou, até mesmo, carregar o celular no meio da rua. Além dos roteadores wireless, o estudo também utiliza como fontes de energia limpa as antenas de telefonia celular e os satélites, equipamentos que também emitem micro-ondas. O dispositivo criado pelo grupo alcançou, na etapa de processamento, eficiência energética em torno de 37%, índice comparado à capacidade dos painéis fotovoltaicos. “Estamos em busca da maior eficiência energética possível”, entusiasmou-se Allen Hawkes, um dos responsáveis pelo método. CicloVivo

Novo cartão com bluetooth promete reduzir o volume de sua carteira

O empresário Kanish Parashar tem uma meta ambiciosa: substituir todos os cartões de crédito, cartões de presente e cartões de fidelidade em sua carteira. Mas, diferentemente de outras empresas como a Square e a PayPal que estão tentando fazer a mesma coisa com aplicativos móveis e serviços exclusivos, Parashar planeja usar um dispositivo que se parece com um cartão de crédito. A empresa de Parashar chama-se Coin e fabricará uma espécie de cartão Bluetooth que pode ser utilizado no lugar dos cartões na sua carteira. Qualquer placa com uma fita magnética pode ser adicionado ao cartão Coin e um botão na parte frontal permite que você alterne facilmente para o cartão que pretende usar. Assim, pode-se levar todos os cartões em um único pedaço de plástico. Uma pequena tela de LED exibe os últimos quatro dígitos do cartão que você está usando junto com sua data de validade. A versão final do Coin também permitirá que você dê a cada cartão um apelido de quatro caracteres como “Bank” ou “work” para facilitar ainda mais. Assista ao vídeo explicativo em www.youtube.com/watch?v=w9Sx34swEG0Fonte: Entrepreneur.com (via Portal Abemd)

Pinterest lança primeiro API e recebe adesão de pesos pesados

O Pinterest lançou na quinta passada, 14/11, sua longamente aguardada API para desenvolvedores. É a primeira do que se espera ser uma série e permitirá que sites de terceiros incorporem os Pins, imagens que são publicadas nos painéis da rede. Além disso, a API torna mais fácil postar o conteúdo no Pinterest. Os primeiros parceiros para o serviço são uma lista de grandes marcas e varejistas – incluindo Zappos, Walmart, Disney, Nestlé, Random House e Hearst – o que demonstra como o site está aumentando sua geração de receitas com publicidade e cross-marketing. “Estamos lançando a documentação nas próximas semanas”, informou a empresa em seu blog. Entre os recursos da API estão Top Pins (mostra os pins mais clicados e os que receberam mais “repins”), a Domain Search (com resultados de tendências a partir de palavras-chave como “sapatos masculinos”, “receitas de festas”, ou “Fashion Week”), Most Recene (um fluxo dos últimos pins), e Related Pins (sugestão de pins baseada no item ou conteúdo que o usuário está vendo). Mais recursos serão acrescentados à API com o tempo, diz a empresa. Fonte: TechCrunch (via Portal Abemd)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima