Facebook usa chatbot para prevenir suicídios

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Após incidentes em transmissões ao vivo, empresa coloca organizações de ajuda no Messenger
Encarando um fenômeno crescente de suicídio nas transmissões ao vivo, o Facebook está melhorando as suas ferramentas para tentar impedir que as pessoas tirem suas próprias vidas. Na quarta-feira, 1º, a rede social anunciou que está integrando uma ferramenta em tempo real que previne suicídios no seu Facebook Live. A empresa também anunciou que irá oferecer chats em tempo real, por meio do Messenger, com organizações que lidam com situações desse tipo, como a National Suicide Prevention Lifeline e a Crisis Text Line. Para identificar comportamentos suicidas, o Facebook irá testar inteligência artificial na filtragem de posts e comentários. O objetivo, de acordo com a empresa, é ligar as pessoas em situações de risco a pessoas que possam ajudar. Para indicar ao Facebook um live com indícios suicidas, será possível clicar em “reportar esse vídeo” e colocar a causa como “suicídio ou automutilação”. A partir desse ponto, a pessoa que está realizando a transmissão começará a ver mensagens na sua tela e telefones para entrar em contato. A pessoa que reportar o vídeo também verá mensagens de como ajudar o amigo. Fonte: Meio&Mensagem

Adsmovil anuncia parceria com Glispa para se tornar solução 360º
Uma pesquisa elaborada pela área de inteligência da Business Insider estimou que os anúncios nativos responderão por 63% da receita de publicidade em display móvel até 2020, contra 52% em 2015, por uma série de razões. Eles geralmente geram maiores níveis de engajamento em dispositivos móveis do que em outros tipos de anúncios gráficos para celular. Os cliques, compartilhamentos e outras métricas semelhantes em anúncios nativos são 20 a 60% maiores do que em anúncios de banners para celular, de acordo com as estimativas. Considerando esses dados, é uma boa notícia para o mercado brasileiro o anúncio da parceria entre a Adsmovil, empresa líder em publicidade mobile na América Latina e no mercado hispânico nos Estados Unidos, e o Glispa Global Group, líder em tecnologia para publicidade mobile e proprietária da Avocarrot by Ampiri, SSP (do inglês, supply-side platform) especializada em anúncios nativos. Com isso, a DSP da Adsmovil passa a oferecer aos anunciantes e agências uma solução completa e 360º graus para as campanhas, contemplando os formatos mobile de display, rich media, vídeo e agora também anúncios nativos. “Além dos formatos mobile de display, rich media e vídeo, agora os anunciantes e marcas terão acesso aos anúncios nativos, que são uma tendência e  possuem melhor aceitação e engajamento por parte dos usuários”, comenta Alberto Pardo, CEO e fundador da Adsmovil. “A mídia programática nativa é o futuro da publicidade móvel. Estamos ansiosos em agora poder oferecer esse formato para anunciantes e agências na América Latina juntamente com um experiente parceiro local, como a Adsmovil”, ressalta Robert Wildner, VP de operações de mídia na Glispa Global Group.

Brasil terá mais do que o dobro de conexões 4G até 2020
O número de conexões 4G na América Latina saltou 121% em 2016, alcançando a marca de 113 milhões em comparação com os 51 milhões do ano anterior, segundo dados da GSMA, que representa os interesses das operadoras móveis de todo o mundo, unindo quase 800 teles e cerca de 300 empresas do ecossistema móvel. A taxa de crescimento foi quase o dobro da média global e foi impulsionada pelo investimento contínuo em redes e serviços 4G por operadoras móveis na região. Os números foram apresentados durante o Mobile World Congress (MWC) 2017, que acontece nesta semana em Barcelona (Espanha). O Brasil foi responsável por pouco mais de 60 milhões dessa fatia, o primeiro em volume na região. Para 2020, a associação espera que o número total de conexões 4G chegue à marca de mais de 307 milhões, com o País liderando com mais de 141 milhões. De acordo com a GSMA, as teles investiram mais de US$ 48 bilhões na região para aprimorar suas redes. A previsão é de que elas direcionem, até 2020, mais de US$ 78 bilhões para melhorias. “Para 2020, acreditamos que 83% da população da América Latina estará coberta por 3G, contra 68% de hoje. Além disso, mais de oito em cada dez pessoas estarão cobertas por redes 4G”, enumerou Sebastian Cabello, líder da GSMA para América Latina. Ele destacou, ainda, que o salto aconteceu em função da expansão da adoção de smartphones na região. Hoje, os celulares inteligentes representam 55% do total de conexões móveis na América Latina. Fonte: IT Forum 365

Uso de smartphones no Brasil cresceu 4,5 vezes desde 2012
O uso de smartphones dobrou de tamanho no mundo em apenas quatro anos, de acordo com um novo relatório do Google, o ´Google Consumer Barometer – The Internet in Numbers´. A consultoria Kantar TNS entrevistou consumidores do mundo todo para conhecer melhor sua relação com a internet, nos últimos cinco anos. Segundo a pesquisa realizada a pedido do Google, em 2012, um em cada três consumidores de 40 dos países pesquisados tinham acesso a um smartphone. Apenas quatro anos depois, o percentual saltou para 70%. No Brasil, o crescimento no uso de celulares saltou de 14% em 2012 para 62% em 2016, um aumento de 4,5 vezes. Para a maioria das pessoas no Brasil, a mudança mais significativa de suas vidas nos últimos cinco anos provavelmente é o smartphone. Diariamente, o aparelho é usado para tirar fotos por 64% das pessoas; 60% dos entrevistados disseram ouvir música; 59% afirmaram que o dispositivo é a forma preferida para saber a hora ou programar um despertador (65%). Os brasileiros usam o smartphone semanalmente para: acessar redes sociais (65%); assistir vídeos (50%); encontrar informações  (44%) e buscar informações sobre produtos (20%). De acordo com a pesquisa, em todo o mundo, cerca de um terço dos usuários afirmam que acessam a internet com mais frequência por meio do smartphone no lugar do computador ou tablet. No Brasil, esse percentual é ainda maior: 59%. Paralelamente, as pessoas estão usando mais aparelhos para acessar a internet. Em 2012, o número médio de dispositivos conectados por pessoa era de 0,6. Em 2016, esse índice subiu para quase 2 dispositivos conectados por pessoa.  27% das pessoas disseram ter adquirido seu primeiro smartphone nos últimos doze meses e 90% dos entrevistados afirmam que acessam a internet diariamente. Fonte: Propmark