IV Congresso: teses – A Criatividade Brasileira


1) Construir através de uma ABP forte e entidades como CENP, CONAR, ABA, Clube de Criação, ANJ, ABERT, Grupo de Mídia etc. um mercado com essa visão, essa ambição mundial e preparado para ela.
2) Articular com a área acadêmica a revisão dos currículos e a padronização das disciplinas básicas à luz das necessidades mundiais. Criar e padronizar programas de estágios  para garantir a formações de novos talentos e o justo reconhecimento a eles.
3) Estimular o intercâmbio nacional e internacional de talentos de profissionais de comunicação. 
4) Atrair para o mercado outros talentos como antropólogos, sociólogos e historiadores que contribuam para turbinar nossa criatividade.
5) Articular com órgãos como Apex, Ministério de Relações Exteriores, Ministério da Indústria e Comércio etc. a venda da criatividade brasileira como um Emerging Creative Leader, por meio de seminários, feiras, eventos no exterior e outras manifestações; e criar um selo brasileiro de criatividade, ´Created in Brasil´, que possa ser usado amplamente pelo mercado.
6) Dar uma agenda mundial à Abap e às nossas principais entidades de forma a que elas não só defendam nossos interesses no Brasil, mas também construam nossa imagem e oportunidades para nossa criatividade lá fora.
7) Conscientizar e mobilizar os profissionais de todas as áreas criativas na defesa intransigente de todas as entidades que evitam a ´commoditização´ da criatividade e garantem liberdade de expressão – como ABAP, ABA, CENP, CONAR etc. -, inclusive mobilizando a publicidade para que seja engajada na justa remuneração de toda a cadeia de comunicação integrada e dos prestadores de serviços especializados. Já que a comunicação é 360º, o respeito profissional deve ser 360º.
8) Desenhar um projeto de conscientização do empresariado brasileiro mostrando que a força da criatividade é um instrumento fundamental para construir marcas mundiais e preços premium.