O canal para quem respira cliente.

Mastercard cria plataforma de pagamentos transfronteiriços com blockchain

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Espera-se resolver questões do setor, como processamento de pagamentos
onerosos, gerenciamento de liquidez e escassez de padronização e
conectividade entre bancos e sistemas de compensação domésticos


A gigante de pagamentos Mastercard deve desenvolver uma
plataforma de pagamentos transfronteiriços, ou seja, transações entre
países diferentes, alimentada por blockchain em parceria com o consórcio
R3. Em um anúncio nesta quarta-feira, 11/9, a Mastercard afirmou que as
duas empresas assinaram um acordo para “desenvolver e pilotar” a
solução de pagamentos. Inicialmente, o objetivo é conectar esquemas de
pagamentos mais rápidos e bancos apoiados pela rede de compensação e
liquidação da Mastercard. A parceria está planejada para mesclar a
experiência do consórcio R3 no desenvolvimento de soluções de blockchain
com os sistemas de pagamento e a rede existentes da Mastercard. Por
fim, as empresas esperam que a nova plataforma ajude a resolver questões
do setor, como processamento de pagamentos onerosos, gerenciamento de
liquidez e escassez de padronização e conectividade entre bancos e
sistemas de compensação domésticos. Fonte: Criptofácil

Do podcast ao streaming de música: no áudio digital, diferentes abordagens geram resultados diferentes

Mais gente do que nunca nos EUA está passando seu tempo
como áudio digital e criando assim mais oportunidades de publicidade.
Para se comunicar adequadamente com o público, os anunciantes devem
garantir que a criação certoa seja usada com os formatos de áudio
certos. Caso contrário, eles correm o risco de irritar ou alienar seu
público.Em uma pesquisa realizada em julho de 2019, pela Bizrate
Insights, quase metade dos internautas dos EUA considerou irritantes os
anúncios em áudio nos serviços de streaming de música ou podcasts. O
problemas é que muitos procuram aproveitar dados e recursos criativos
dinâmicos dentro do áudio digital para incorporar ideias do público,
dados de localização, eventos climáticos ou até mesmo hora do dia para
entregar mensagens relevantes aos consumidores. Mas a inserção dinâmica
de anúncios inoportunos pode causar danos à experiência de audição de
quem não se identificar. Manter uma experiência de publicidade contínua é
geralmente mais essencial para os podcasts, que tendem a ser consumidos
com uma mentalidade mais engajada do que o consumo passivo dos serviços
tradicionais de rádio ou streaming de música. Os podcasts também tendem
a ter menos anúncios, tornando os anúncios prematuros ou irrelevantes
mais visíveis. Os anúncios lidos pelos apresentadores representaram
63,3% da receita de anúncios em podcasts dos editores pesquisados em
2018, por IAB e PwC. Isso é comparado aos 35% da receita proveniente de
anúncios pré-produzidos ou lidos pelo anunciante. E apenas uma pequena
fatia disso (1,7%) vem de anúncios redirecionados originalmente usados
para rádio. Fonte: eMarketer

Este ano 153 milhões de smartwatches e wristbands de pulso devem entrar no mercado

Cada vez mais, em vez de olhar para as telas de seus PC e
smartphones, os consumidores estão aprendendo a verificar seus pulsos.
Os embarques de vestíveis usados no pulso, incluindo relógios
inteligentes e pulseiras, atingiram 34 milhões de dispositivos no
segundo trimestre, um aumento de 29% em relação ao ano anterior, segundo
a International Data Corporation (IDC). O mercado é dominado por cinco
empresas (Xiaomi, Apple, Huawei, Fitbit e Samsung), que representam 66%
de todo o mercado.A Xiaomi, empresa chinesa que se concentra quase
exclusivamente em pulseiras de baixo custo, lidera o mercado com 17% de
participação, embarcando 6 milhões de unidades no trimestre. Logo atrás
está a Apple, com 15% de participação de mercado no trimestre, enviando 5
milhões de dispositivos. As remessas do Apple Watch devem crescer 11%
até o final deste ano, representando 39% de todos os smartwatches
enviados. Por participação de mercado, a Huawei é a terceira, enviando 5
milhões de unidades por 14%, Fitbit 4 milhões por 10% e Samsung 3
milhões por 9%. O número de smartwatches embarcados (67 milhões) será
maior que o número de pulseiras (63 milhões). Fonte:MediaPost IoTDaily

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima