Mídias sociais: redes que estão ficando para trás

Não, não estamos falando do Orkut. Apesar do avanço
do Facebook, principalmente entre os mais antenados, a rede “brasileira” do
Google continua firme e forte, inclusive crescendo, embora sem a pujança de
outrora. Nem estamos falando do Google+. Aparentemente, o modelo de negócio
dela é diferente e estaria em planos de futuro para a gigante.

Há outras redes, como o Orkut, com sucesso
localizado, como a Sonico, na Argentina, e, principalmente, a Weibo, chinesa. Também
não estamos nos referindo a elas. Falamos das redes com vocações grandiosas e
mundiais. MySpace, Friendster e Ning são os exemplos trazidos em um artigo do
jeffbullas.com. O oxigênio delas, na imagem do Jeff, vem sendo retirado pelo
Facebook.
 

O fenômeno das redes de relacionamento remonta a
2002, com a criação e o crescimento meteórico do Friendster. Em 2003, veio o
MySpace e essa rede, voltada principalmente para a música, manteve-se na
dianteira da corrida até 2008, quando foi ultrapassada pelo Facebook. O Orkut
nasceu em 2004. Na esteira dessas pioneiras, surgiram milhares de websites e
portais de relacionamento social. A competição, portanto, é feroz,
principalmente porque não temos tempo para dedicar senão a algumas poucas.
Facebook, no alto do pódio, Twitter e LinkedIn são algumas das vencedoras.
Quanto às
perdedoras, são milhares.
Mas vamos destacar os três maiores flops – as redes citadas
anteriormente. 

No próximo post.