O canal para quem respira cliente.

Pesquisa: como será o Ensino Superior em 2020

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Foi publicado  ontem, 27 de julho, no site Mashable, um artigo sobre uma pesquisa sobre o futuro do ensino superior realizada pelo Pew Internet & American Life Project com 1.021 entrevistas, incluindo especialistas em educação, pesquisadores de tecnologia, diretores de universidades, investidores e professores das universidades da Ivy League (Brown, Columbia, Cornell, Dartmouth, Harvard, Pensilvania, Princeton e Yale, as instituições de maior prestígio científico nos Estados Unidos).

A previsão, segundo a pesquisa, é que a tecnologia vai facilitar o ensino à distância fora das salas de aula tradicionais de tal forma que, em 2020, os alunos serão capazes de viajar para continentes distantes e frequentar ao mesmo tempo a escola esteja onde ela estiver. Cerca de 60% dos entrevistados acreditam que o ensino superior parecerá completamente diferente de como é hoje. Por outro lado, 39% dos participantes acham que a estrutura tradicional da faculdade não vai mudar tão drasticamente além de uma maior integração da tecnologia nas salas de aula. Atualmente, a participação presencial nas aulas e o comprometimento com o campus são fatores-chave para o sucesso na faculdade. No futuro, isso tudo pode mudar. A teleconferência, as universidades on-line e a educação a distância vãolevar a campi híbridos, disseram os especialistas. Esses campi híbridos irão fundir aprendizagem online com a presencial.

O custo estratosférico de um diploma universitário está criando a necessidade de um novo sistema de ensino. Nos EUA a dívida dos estudantes já é de mais de US$ 1 trilhão. “Nas condições econômicas atuais,a  sala de aula tradicional se tornará cada vez menos viável financeiramente”, afirmou Mike Liebhold, pesquisador sênior e Distinguished Fellow no The Institute for the Future. “Na medida em que redes de alta velocidade tornam-se mais acessível ao grande público, a tele-educação e a instrução híbrida vão se tornar mais amplamente empregadas.”

Nessa direção, as universidades online e organizações sem fins lucrativos estão começando a alterar esse meio ambiente, criando potencial para a educação tornar-se mais acessível e disponível a longo prazo. Um exemplo é The Khan Academy, iniciada por uma pessoa no YouTube e que já oferece mais de 3.300 vídeos gratuitos para qualquer um no mundo. No site, jovens e adultos podem aperfeiçoar-se em uma ampla gama de estudos de matemática, ciências, finanças e ciências humanas. Qualquer pessoa no mundo pode utilizar a abragente biblioteca de vídeo para aprender química orgânica ou microeconomia.

Especialistas também acreditam que a educação fora da sala de aula-learning vai inspirar a inovação que está faltando nos campi agora. “o que despejamos nos alunos, esperamos que seja despejado de volta em um teste”, disse Jeff Jarvis, diretor do Tow-Knight Center for Entrepreneurial Journalism da Graduate School of Journalism na City University of New York. “Esse tipo de educação não produz o tipo de inovadores que iria inventar o Google. A necessidade real para a educação na economia será de reeducação. “

 E você, o que mudaria no atual sistema de ensino superior?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima