Quais as armas do Google para aumentar ainda mais seu domínio em 2012?

Segundo Brian Whalley, especialista em search marketing da HubSpot, em artigo para o site da Harvard Business Review, “o Google está determinado a alterar completamente a maneira como os websites fazem seu próprio marketing este ano.” Por um lado, afirma, ele facilitou aos usuários a mudança das páginas de resultados de busca e, por outro, desenvolveu um novo método de estruturação dos dados de forma que seus robôs podem encontrar melhor as informações. “É uma estratégia fenomenal”, comentou o especialista, pois o Google não precisa deter toda a informação do mundo se detém os métodos de acessar aquela informação – e também a capacidade de anunciar para pessoas que usam aquele acesso.

Brian listou alguns recursos que devem tornar o Google ainda mais prevalente este ano.

  1. Os resultados de busca incluirão mais informação direta. Logo no começo do ano, o Google expandirá a forma como incorpora os dados em seus resultados de busca. No caso de perguntas diretas, por exemplo, não será mais necessário clicar em um website. Muito legal para quem está fazendo a busca, pois diminui o número de cliques, mas não tão legal para os websites que receberiam esses visitantes e contavam que podiam envolvê-lo lá. Os planos do Google vão além e incluem metadados, isto é, dados especiais que são codificados nas páginas, e que permitem acessar mais informações sobre um tópico, incluindo horas de funcionamento, nomes dos produtos ou qualquer outra coisa. Passaremos a ver melhor os rankings de busca se documentarmos as informações usando esse novo formato. Gentil, não?
  2. Google está incluindo novas indústrias e mercados. Consequentemente, isso permitiu ao Google expandir para mercados onde não tinha ainda força. Segundo Brian, o Google adquiriu a  ITA Software em 2010, uma empresa de software para gerenciamento de viagens, incluindo tarifas, para companhias aéreas e operadoras. Desde então, trabalha pra se tornar uma concorrente forte na indústria de viagens, promovendo suas próprias ofertas e seus pacotes diretamente nas páginas de resultados de busca.
  3. Os dados que o Google disponibiliza serão reduzidos. Segundo Brian, ” o Google vê agora a propriedade dos dados como uma vantagem competitiva a ser protegida das outras redes.” E começou, já na segunda metade do ano passado, a não disponibilizar certos dados, especificamente como e onde os visitantes encontraram os websites. Desde outubro, de 10 a 15% das visitas a websites originados do Google não têm mais essas informações disponíveis para webmasters e marketeiros. “É seguro assumer que o Google”, comentou Brian, “continuará a expandir essas mudanças, limitando os dados disponíveis a quem estiver disposto a pagar por eles”.

Mais mudanças virão, dizem os especialistas. É importante, portanto, começar a analisar com cuidado como a sua empresa está posicionada face aos interesses do gigante de busca.