Tide Loyalty Points premia torcedores que veem jogos até o final

Capacidade de rastreamento levanta preocupações com a privacidade
O New York Times definiu o novo programa da equipe de futebol americano da Universidade de Alabama como “orwelliano”. Já Adam Schwartz, advogado da Electronic Frontier Foundation, o descreveu como “muito alarmante” e que seria inapropriado incentivar alunos a abrir mão de suas privacidades. Mas o fato é que, aparentemente,o programa acaba com uma das maiores reclamações de técnicos e dirigentes de equipes esportivas: a debandada de seus torcedores antes do final dos jogos, muitas vezes quando seu apoio seria fundamental para manter o ânimo dos jogadores. Para participar do Tide Loyalty Points , os alunos precisam primeiro fazer o download do aplicativo. Assista um jogo no estádio e você ganha 100 pontos. Fique até o quarto tempo e receba 250 pontos adicionais. Outros pontos são concedidos de acordo com a quantidade de tempo que um aluno passa em seus estudos, e os pontos acumulados podem ser trocados por acesso aos grandes jogos da equipe. O aplicativo rastreia os alunos apenas enquanto eles estão dentro do estádio para que sua presença possa ser registrada para os pontos de fidelidade. O FanMaker, criador do aplicativo, lançou aplicativos para outras 40 faculdades nos EUA, embora apenas o aplicativo do Alabama inclua rastreamento de localização. Fonte: Digital Trends

Walmart terá mais sucesso na criação de marcas diretas para consumidores do que ao adquiri-las?
Faz alguns meses que as notícias surgiram: nem tudo estava bem no paraíso digital do Walmart. A estratégia do varejista de adquirir marcas e varejistas digitalmente nativos, incluindo Bonobos, Jet.com, ModCloth, Eloquii e outros, que tinha sido amplamente elogiada nos últimos anos, não pagou os dividendos que a empresa imaginav quando os negócios foram feitos. De fato, a divisão de comércio eletrônico do Walmart nos EUA está prestes a perder US$ 1 bilhão este ano. Agora, Marc Lore, responsável por liderar as operações de comércio eletrônico do Walmart nos EUA, diz que o varejista está deixando de procurar aquisições e concentrando sua atenção no desenvolvimento de suas próprias marcas nativas digitalmente. Lore apontou para a Allswell, uma marca de colchões criada pelo Walmart para competir na categoria cama e mesa. Allswell, disse ele, tornou-se uma “marca de centenas de milhões de dólares”. “Foi como um ´aha´ para nós” “, disse Lore. “Isso é super interessante. Nós mesmos podemos criar isso. ” Muito do que Lore e Walmart fizeram nos últimos anos foi projetado para obter uma vantagem contra a Amazon.com. Embora o Walmart tenha melhorado seu desempenho online e nas lojas, atualmente detém 4,7% das vendas on-line, contra 38% na Amazon. Em julho, o Walmart anunciou que estava integrando sua cadeia de suprimentos e equipes financeiras com o walmart.com e suas lojas. A medida foi tomada para facilitar o impulso omnichannel do varejista e eliminar custos redundantes do sistema.  Fonte: RetailWire
Airbus planeja rastreamento a bordo, incluindo visitas a banheiros de passageiros
A Airbus está adicionando tecnologias de cabine conectadas à IoT em uma aeronave A350-900 Flight Lab para criar o que chamam de “Experiência Conectada pelo Espaço Aéreo”, que inclui até o rastreamento de passageiros que aguardam do lado de fora dos lavatórios do avião. A tecnologia inclui assentos conectados, cozinhas conectadas e controle remoto de gerenciamento de cabine sem fio, todos destinados a permitir “serviços de agregação de valor significativos para passageiros, companhias aéreas e tripulações”, segundo a Airbus. A cabine conectada promete recursos como a capacidade dos passageiros de solicitar remotamente as refeições preferidas, reservar um espaço reservado privado, definir posições individuais dos assentos e criar opções personalizadas de entretenimento a bordo. Outra ideia é que as companhias aéreas gerem receita adicional criando anúncios e varejo personalizados, presumivelmente direcionados assento a assento. Fonte: MediaPost Connected Thinking