Você viu a Dolly por aí?

O quinto tema levantado pela Patrícia Seybold e seu grupo, a meu ver, é muito interessante. Segunda ela, ao mesmo tempo em que as homepages estão se tornando irrelevantes e a publicidade está sendo bloqueada por consumidores, estamos assistindo os consumidores espalharem pela web um número crescente de gadgets e widgets. Os visionários da Patty têm usado esseGadgets são ferramentas interativas com interfaces do que se chama rich content e que são geralmente desenvolvidas em Flash ou Ájax. Elas podem ser colocadas em qualquer lugar da Web, em portais, em blogs e até em desktops dos usuários. Tipicamente, incluem funcionalidades que os consumidores costumavam encontrar apenas em websites – uma calculadora para plano de pensão, por exemplo, ou uma forma de se inscrever em um curso ou um evento, e até formulários de emprego e empréstimo. Eles costumam ter um meio de comunicação com os servidores, via RSS, e se atualizam automaticamente. Alguns dos participantes do evento contaram que estão começando a usar essas ferramentas no lugar dos anúncios nos sites freqüentados por seus prospects.

 

Uma coisa importante: a criação dessas ferramentas saiu da mão dos hackers e outras figuras estranhas. Atualmente é fácil para qualquer pessoa criar um gadger ou um widget. A bem da verdade, adaptar, modificar, customizar, pois existem coleções no Google, no Microsoft Live, na Apple, no Yahoo!NetVibes, no PageFlakes e em sites similares.

 

Clonar essas ferramentas é fácil e tem cada vez mais gente fazendo isso, e distribuindo via e-mail, blogs, etc.