FCC confirma que operadoras venderam dados de localização

Investigação ocorreu um ano atrás; agora, agência admite que uma ou mais grandes operadoras possam ser multadas
Mais de um ano após a investigação da Motherboard revelar que as operadoras de celular estavam coletando e vendendo dados de localização do usuário para corretores de dados, o chefe da FCC, Ajit Pai, finalmente reconheceu que pelo menos uma e possivelmente várias operadoras de telefonia móvel burlaram a lei. “Desejo informar que o Departamento de Execução da FCC concluiu sua extensa investigação e concluiu que uma ou mais operadoras de telefonia móvel aparentemente violaram a lei federal”, declarou em uma carta enviada ao representante Frank Pallone. Os legisladores escreveram à FCC em novembro passado, expressando preocupação de que a agência não tivesse feito nada para reprimir a prática da indústria sem fio de coletar dados de localização do usuário e depois vender o acesso a esses dados a uma variedade de intermediários e até mesmo personagens de caráter duvidoso. Uma investigação do New York Times revelou como esses dados foram repetidamente usados abusivamente pela polícia. Investigações adicionais da Motherboard mostram a prática estendida até a coleta e venda de dados de localização de emergência 911 mais detalhados, uma prática proibida pela lei dos EUA. Fonte: Vice

O Google tornou disponível 25 milhões de conjuntos de dados — e a ferramenta para pesquisá-los
O Google lançou em 23/1 o Datasetsearch, uma ferramenta gratuita para pesquisar 25 milhões de datasets, conjuntos de dados, disponíveis gratuitamente. A ferramenta inclui filtros para limitar os resultados com base em sua licença (gratuita ou paga), formato (csv, imagens etc.) e tempo de atualização. Os resultados também incluem descrições do conteúdo do conjunto de dados, bem como citações de autores. A metodologia de agregação de conjuntos de dados do Google difere de outros repositórios de conjuntos de dados, como o registro de dados abertos da Amazon. Ao contrário de outros repositórios que selecionam e hospedam os conjuntos de dados, o Google não seleciona nem fornece acesso direto aos 25 milhões de conjuntos de dados diretamente. Em vez disso, o Google conta com os editores de conjuntos de dados para usar os padrões abertos do schema.org para descrever os metadados de seus conjuntos de dados. O Google indexa e torna esses metadados pesquisáveis entre os editores. Como os editores ainda precisam hospedar os conjuntos de dados, os editores com fins lucrativos que estão em conformidade com os padrões do schema.org também terão seus conjuntos de dados indexados pelo Google. Cerca de metade dos conjuntos de dados nos resultados da pesquisa eram de agregadores com fins lucrativos, com uma porcentagem ainda maior ao pesquisar conjuntos de dados relacionados ao mercado. Outros editores populares de conjuntos de dados na plataforma incluem agências governamentais e instituições de pesquisa. O Google alega que apenas as agências do governo dos EUA publicaram mais de 2 milhões de conjuntos de dados. Segundo o Google, a maioria dos conjuntos de dados está relacionada a “geociências, biologia e agricultura”. Para publicar seus próprios conjuntos de dados, você pode simplesmente usar os padrões abertos do schema.org. É provável que o número de conjuntos de dados publicamente disponíveis continue a crescer à medida que mais editores estiverem em conformidade com o padrão. No momento, o Google não fornece uma API para pesquisar ou baixar os conjuntos de dados gratuitos. Mais informações sobre o lançamento estão disponíveis no blog do Google: https://blog.google/products/search/discovering-millions-datasets-web/  Fonte: TowardsDataScience
Compradores online da IKEA vão ganhar controle sobre seus dados
A IKEA dará aos clientes que se conectam ao varejista via canais digitais mais controle sobre como seus dados são usados e comercializados a partir de abril. Os compradores poderão navegar no modo de navegação anônima, excluir seus dados e decidir se o varejista de móveis pode usar seu histórico de compras e histórico de navegação para fazer recomendações de produtos. Fonte: The Wall Street Journal