Marketing de conteúdo B2B: tendências para 2020

Reconhecimento da marca, educação do público e construção de confiança são os 3 objetivos principais
Artigos e blogs, depoimentos e críticas de clientes e white papers são os tipos de conteúdo mais eficazes para mover as perspectivas de empresa para empresa ao longo do funil de vendas, conforme pesquisa do Chief Marketer. Um estudo da Centerline Digital sugere que vice-presidentes e gerentes consomem conteúdo mais rapidamente do que outros tomadores de decisão B2B, e pesquisas da Grazitti Interactive descobrem que os três principais objetivos alcançados por meio de conteúdo B2B são maior reconhecimento da marca, educação do público e construção de confiança. Fonte: ChiefMarketer

Pesquisa gera dúvidas sobre evolução dos carros autônomos: consumidores ainda valorizam muito posse
Os carros autônomos podem não chegar nas garagens dos consumidores tão logo. O alto preço esperado dos veículos totalmente autônomos os torna candidatos muito mais prováveis a serviços de compartilhamento de viagens ou entrega de produtos. Além disso, um novo estudo indica que possuir ou alugar um veículo pessoal ainda é importante para os motoristas. 94% das pessos entre 56 e 73 anos, 86% das entre 40 e 55 e 87% das entre 23 e 39 afirmam que a propriedade ou o leasing de veículos é importante para eles, com a maioria em todas as idades classificando isso como “extremamente importante”. Outra razão pela qual os motoristas podem não se sentir compelidos a desistir de seus carros é que a maioria dos consumidores de todas as idades descreve sua atitude em relação ao automóvel em geral como “feliz”. Motoristas felizes em possuir e dirigir seus próprios carros dificilmente são um ambiente fértil para a comercialização de veículos totalmente autônomos. Fonte: MediaPost Connected Thinking

Amazon agora oferece tecnologia de “check-out free” aos varejistas

A Amazon.com confirmou nesta segunda-feira, 9/3, que está lançando uma nova linha de negócios que vende a tecnologia por trás de suas lojas de conveniência sem caixa para outros varejistas. Além disso, a Amazon disse à Reuters que já assinou “vários” acordos com clientes. A tecnologia, que a Amazon chama de Just Walk Out, permite que os compradores entrem em uma loja, peguem mercadorias e saiam. Eis como funciona: nas lojas habilitadas para Just Walk Out, os compradores entram na loja usando um cartão de crédito. Então, a tecnologia Just Walk Out, que inclui câmeras de teto e sensores de peso de prateleira, detectará quais produtos os compradores retiram ou retornam às prateleiras e os acompanha em um carrinho virtual. Ao fazer compras, eles podem sair e seu cartão de crédito será cobrado pelos itens em seu carrinho virtual. Se os compradores precisarem de um recibo, poderão visitar um quiosque na loja e inserir o endereço de e-mail. Se eles usarem o mesmo cartão de crédito para entrar na mesma loja ou em qualquer outra loja habilitada para o Just Walk Out no futuro, um recibo será enviado automaticamente por e-mail. O Just Walk Out funciona de maneira diferente da tecnologia que a Amazon usa em suas lojas Amazon Go desde 2018. Nessas lojas, os compradores fazem o download do aplicativo Amazon Go, entram na loja usando um código QR e depois pegam o que quiserem e saem. O sistema de rastreamento de itens da loja sabe o que eles selecionaram e os fatura automaticamente por meio do aplicativo. Um problema que pode surgir com o Just Walk Out tem a ver com quem possui os dados do cliente, a Amazon ou o revendedor parceiro. A Amazon diz em seu site que apenas coleta as informações necessárias para fornecer aos clientes um recibo preciso. Quem é o proprietário específico desses dados e para que eles podem ser usados, porém, não está claro. A ironia de que a Amazon pode acabar competindo consigo mesma. O foco da tecnologia Just Walk Out no momento está em lojas de conveniência menores, como lojas de aeroportos e quiosques de arena, em vez de grandes varejistas, como Walmart e Target, mas isso pode mudar no futuro. Fonte: MyTotalRetail