Número de páginas de marcas nas redes sociais mencionando a história de pessoas negras dobrou de 2020 para 2021

Estudo da Emplifi apresenta um cenário positivo no engajamento das marcas na luta contra o racismo; número de páginas com menção a causas raciais em 2015 era inferior a 250, hoje contabiliza-se mais de 1500
Em um estudo recente realizado pela Emplifi — marca focada em care, que une Socialbakers e Astute, foi revelado que o número de páginas de marcas que mencionaram a história de pessoas negras dobrou de 2020 para 2021. No ano passado foram contabilizadas menos de 750 páginas, já em 2021 mais de 1500 páginas de marcas abordaram o tema no Facebook. A diferença é ainda mais visível quando analisamos os dados referentes ao ano de 2015, quando o número de páginas que mostravam apoio às causas raciais era inferior a 250. A evolução do gráfico apresenta um cenário positivo e comprova uma certa conscientização das marcas.

 

 

A Emplifi avalia que esse fenômeno tomou força com as polêmicas raciais que ocorreram no ano passado. O público começou a cobrar as marcas por um posicionamento, e o silêncio diante às injustiças sociais e raciais era cada vez menos tolerado. Ainda que muitas dessas problemáticas raciais não tivessem nenhuma relação direta com a marca, as pessoas passaram a dar mais importância e credibilidade para as empresas que se mostram preocupadas e engajadas com essas bandeiras. E, por isso, muitas delas passaram a deixar claros seus valores e crenças em diferentes debates por meio de publicações e campanhas nas redes sociais.
A imagem que ilustra a matéria foi cedida pelo site Estou Refugiado