Pagamento de impostos com pontos de programa de fidelidade? Já é possível!

Serviço também vale para pagamento de contas de água, luz, telefone e TV por assinatura
Pagar impostos e contas domésticas sem gastar dinheiro, consumindo pontos de programa de fidelidade em vez de desembolsar reais. Inédita no país, a solução foi lançada pelo Banco do Brasil (BB). Desde a semana passada, o cliente pode usar pontos do programa de relacionamento da instituição financeira para quitar contas de água, de luz, de telefone e de televisão por assinatura, além de pagar tributos. O cliente não paga taxas nem tarifas para realizar a transação. Inicialmente restritos a companhias aéreas, serviços de programas de fidelidade se difundiram ao longo dos últimos dez anos. A troca de pontos migrou primeiramente para as compras online, depois para o varejo físico. Nos últimos anos, os bancos passaram a permitir que os clientes usassem pontos para restituir valores debitados em conta-corrente. A pontuação varia conforme os gastos em estabelecimentos parceiros dos programas e geralmente é atrelada à cotação do dólar e ao tipo de cartão de crédito. Cada dólar gasto pelo cliente é revertido em determinado número de pontos, que varia conforme a bandeira e a categoria do cartão. Estatísticas recentes mostram que o mercado de empresas de fidelidade movimentou R$ 3,7 bilhões no primeiro semestre do ano passado. O valor representa alta de 12,7% em relação ao mesmo período de 2018. O percentual de pontos expirados, que não podem mais ser trocados, caiu de 19,8% no segundo trimestre de 2018 para 17,4% no mesmo trimestre de 2019. Fonte: D24am

Segurança com o 5G preocupa oito em cada 10 empresas, diz estudo da Accenture
As empresas acreditam que o 5G será a maior revolução já feita no desenvolvimento das redes de dados, mas ainda têm preocupações com a segurança da tecnologia, de acordo com os resultados de um estudo global da Accenture. Com base em uma pesquisa com mais de 2.600 tomadores de decisão de negócios e tecnologia em 12 setores de mercado na Europa, América do Norte e Ásia-Pacífico, quatro em cada cinco entrevistados (79%) acreditam que o 5G terá um impacto significativo em sua organização – incluindo 57% que acreditam que será uma tecnologia revolucionária. No entanto, esse otimismo não elimina as preocupações de segurança em torno do 5G, que cresceram em comparação com o ano passado. Especificamente, mais de um terço (35%) dos participantes da pesquisa recente expressou preocupações em relação à segurança do 5G, em comparação com 32% na pesquisa do ano passado. Além disso, mais de seis em cada 10 entrevistados (62%) na pesquisa recente expressaram temores de que o 5G os torne mais vulneráveis a ataques cibernéticos, e as empresas acreditam que a maior parte do risco começará no nível do usuário, seja por meio dos dispositivos ou de pessoas. A pesquisa sugere que as empresas estão pensando em como lidar com esses desafios, com três quartos (74%) dos entrevistados dizendo que esperam redefinir políticas e procedimentos relacionados à segurança à medida que o 5G surge.

Mais uma vítima do coronavirus: a cerveja Corona
O Google Trends relata um aumento nas pesquisas que vinculam a cerveja Corona ao coronavírus. A pesquisa da SEMRush mostra um aumento de 406% nas buscas pelo nome da marca em janeiro em comparação com dezembro, #CoronaBeerVirus recebeu 1,5 milhão de impressões desde o início de 2020, diz Brandwatch, e uma pesquisa da 5W Public Relations descobriu que 38% dos bebedores de cerveja dizem que não tomariam cerveja Corona. Enquanto isso, a marca cortejou a controvérsia no Twitter com uma campanha que apresenta um vídeo na plataforma mostrando latas de cerveja em uma praia com o slogan “Coming Ashore Soon”. Muitos usuários a criticaram por explorar os medos em torno do coronavírus. Fonte: Marketing Dive