Twitter testa –adivinhe onde — formato de stories que desaparece em 24 h

É o modelo do Snapchat que chega finalmente ao microblogging
O Twitter resolveu seguir a liderança do Snapchat e está testando um conteúdo parecido com as stories chamado “Fleet” que desaparece após 24 horas e não inclui a capacidade de “curtir”, “retuitar” ou “incorporar”. A ferramenta está sendo testada no Brasil. Fonte: The Verge

Como o Citi está ampliando a conexão emocional com seus clientes
Recentemente, o Citi começou a se concentrar em storytelling e em marketing direcionado após uma auditoria revelar que os consumidores sentiam que a marca não estava sendo suficientemente emocional, contou Jennifer Breithaupt, diretora de marketing global de consumidores do Citi. A nova receita para a comunicação inclui tornar as mensagens centradas no consumidor e usar melodias para promover a conexão emocional. A estratégia pode ser resumida em três pilares:
1. Pare de falar muito. Até aquele momento, o Citi era conhecido por conversar com seus clientes a cada segundo de um comercial. Começou a usar visuais grandes e bonitos em vez de palavras constantes para compartilhar sua história.
2. Coloque as pessoas no centro. Contar histórias é sobre pessoas, e uma das maneiras mais fortes de conectar pessoas a uma mensagem e propósito é envolver outras pessoas. Compartilhar histórias e inspiração se tornou o foco, em vez de apenas dar um discurso de vendas.
3. Use música. O Citi começou a usar melodias grandes e amplas para provocar emoções e levar para casa essa conexão.
Assim, a marca mostra aos clientes que a marca se preocupa mais do que apenas fazer vendas e abrir contas, mas que realmente deseja apoiar seus clientes e criar relacionamentos. Internamente, a mudança deu aos funcionários um renovado senso de propósito para fazer o melhor trabalho e melhorar as interações com os clientes. Fonte: Forbes
A nova receita do Facebook envolve mais anúncios de empresas farmacêuticas. Mas isso pode ter efeitos colaterais
Depois de anos evitando as mídias sociais, as empresas farmacêuticas estão ficando mais ousadas com relação à publicidade no Facebook e em outras redes sociais, de acordo com entrevistas com executivos de publicidade, profissionais de marketing, pesquisadores de privacidade em serviços de saúde e advogados de pacientes. Isso está expondo brechas na maneira como os dados podem ser usados para mostrar aos consumidores anúncios relevantes sobre sua saúde pessoal, mesmo que as redes sociais e os fabricantes de produtos farmacêuticos neguem a segmentação de anúncios para pessoas com base em suas condições médicas. Mas ver um anúncio de um medicamento projetado para tratar a condição de saúde específica de uma pessoa no ambiente relativamente íntimo de um feed de mídia social — em meio a fotos de amigos e links para artigos de notícias — pode parecer mais intrusivo do que em qualquer outro lugar online. Os mesmos sistemas opacos do Facebook que ajudam a colocar um anúncio para uma campanha política ou um sapato novo no feed de um usuário também podem ser usados pelas empresas farmacêuticas, permitindo que eles segmentem consumidores que correspondam a determinadas características ou características. têm condições específicas de saúde — muito distantes de uma revista ou anúncio de TV. Na visão de críticos, isso só enfatiza como a lei de privacidade em saúde dos EUA, a Lei de Portabilidade e Responsabilidade do Seguro de Saúde (HIPAA), não acompanhou os tempos. O HIPAA, que protege os registros pessoais de saúde, normalmente não cobre empresas farmacêuticas ou redes de mídia social. A segmentação que é onipresente quando se trata de anunciar um maiô ou saboneteira nas mídias sociais preocupa os defensores dos pacientes pois pode causar constrangimento para amigos e familiares ou discriminação por parte dos empregadores, afetando potencialmente até as taxas de seguro ou as ofertas de serviços. Fonte: The Washington Post