Marcas usam NFTs, Reels tem nova opção de publicidade

Marcas encontram novas possibilidades criativas com NFTs
NFT (non-fungible token) é um tipo especial de criptovalor que representa algo único. Diferentemente das criptomoedas como o Bitcoin e de vários outros tokens utilitários, os NFTs não são mutuamente intercambiáveis.
Um item fungível, como o dinheiro, pode ser trocado por outro. Uma cédula de Real pode ser substituída, desde que de mesmo valor. Já os itens não-fungíveis são como as obras de arte, objetos raros, exemplares únicos, etc .O token não fungível representa algo específico e individual, e não pode ser substituído.
O primeiro uso massivo de NFTs remonta a 2016 e envolveu cards colecionáveis. Em 2017, começaram a ser usados no mercado de arte. Recentemente, houve uma queda nas vendas de NFTs, mas isso parece não estar intimidando algumas marcas que estão desenvolvendo promoções criativas para seus ativos digitais para preservar a propriedade intelectual e potencialmente gerar receita. Por exemplo, a plataforma Top Shot da NBA ganhou mais de US$ 230 milhões em vendas de seus vídeos de destaque do jogo vendidos como NFTs, enquanto Stella Artois está leiloando cavalos de corrida digitais NFTs e Burberry está oferecendo um brinquedo NFT de edição limitada dentro do jogo Blankos Block Party que os jogadores podem coletar e vender.
Fonte: Advertising Age
Instagram expande oferta mundial de publicidade do Reels
O Instagram lançou mundialmente opções de publicidade que podem ser comprados por meio de leilões: anúncios verticais em tela cheia que podem ser executados por até 30 segundos, aparecer entre os Reels padrão e dar aos consumidores a opção de ver, pular, curtir, comentar, salvar e compartilhar.
A empresa já havia testado anúncios de carretéis em mercados selecionados no início deste ano, incluindo Índia, Brasil, Alemanha e Austrália, em seguida, expandiu esses testes para Canadá, França e Reino Unido. e os EUA mais recentemente.
Os primeiros a adotar o novo formato incluíram marcas como BMW, Nestlé (Nespresso), Louis Vuitton, Netflix, Uber e outras.
Fonte: TechCrunch