O canal para quem respira cliente.

A experiência do cliente… no Shopping center?

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Olá Amigos,

Quero compartilhar com vocês duas experiências que tive recentemente (uma delas nesse último final de semana) sobre o conceito de atendimento, e alguns impactos da tecnologia e da relação de consumo.
Na primeira experiência, estava em um grande shopping center na cidade, buscando um presente de aniversário para um amigo. Ao olhar a vitrine de uma famosa grife de roupas, vi um artigo que achei que meu amigo ia gostar (quem não tem um amigo meio metido a fashion?). Entrei na loja e percebi como a experiência estava desenhada ali: cores claras na decoração da loja, música eletrônica em alto-volume nos alto-falantes, um perfume levemente masculino, cítrico no ar, e as araras cheias de produtos todos muito parecidos, tudo desenhado para o consumo rápido de um produto de moda que tem vida útil não maior a 6 meses. Como já sabia o que queria, fui direto procurar um vendedor para me ajudar. Ali comecei a perceber o que o estava acontecendo: das 04 pessoas que estavam na loja, 03 eram clientes, e apenas uma era vendedora. Ela, de costas para a porta, estava arrumando algumas peças de roupa como se estivesse sozinha (onde já se viu um vendedor de costas para a porta?).
Depois de pedir ajuda 03 vezes, ela me comenta que precisaria procurar a peça no estoque, no fundo da loja. Ela fica desaparecida aproximadamente 05 minutos, enquanto a loja continua com aquelas 03 clientes vasculhando as araras, e escolhendo algo que agrade. Um consumidor típico movido pelo impulso, que não está medindo a qualidade dos produtos, mas sim se está na moda ou não.
Passados os 5 minutos ela retorna do fundo da loja (estoque?) e retoma a sua atividade de arrumação. Fiquei olhando e pensando se falhei na comunicação… Perguntei novamente sobre o produto e ela simplesmente disse que não havia o produto no tamanho que eu queria no estoque. Só isso. Nenhuma sugestão, nenhuma pergunta sobre gostos, etc. Dada essa resposta, saí imediatamente da loja e jurei não pôr mais os pés ali. Afinal parece que tudo ali dentro estava programado para uma venda fácil, com produtos com preços absurdos, onde você está comprando a etiqueta e não o produto em si, para consumir seu cartão de crédito mais rápido que a loja ao lado. Serviço ao cliente não está no topo da lista… Definitivamente o consumidor está colocado ali apenas como o “dono” do cartão.
A segunda experiência que quero relatar, trata-se de um produto que por ocasião de outro aniversário, fui comprar. Ao entrar na loja, fui cumprimentado por um vendedor, agradecendo pela visita. O vendedor agradeceu apenas porque estava entrando na loja
Ao pedir um determinado produto com um certo tamanho, ele imediatamente puxa um aparelho parecido com um Ipod, escaneia o código do produto que aparece na vitrine e já me comenta as cores e tamanhos disponíveis no estoque, tudo on-line. Escolhido o tamanho e cor desejado, em menos de 05 minutos já estava com o produto em mãos e me dirigia ao caixa para pagar. 
A experiência fora excelente, atenciosa e por meio da tecnologia, rápida. Em menos de 10 minutos escolhi, paguei e já estava fora da loja, satisfeito com a escolha do presente.
Se olharmos para essas duas interações, e trazer para o call center, podemos facilmente identificar um call center onde os operadores estão “fazendo um favor” de atender o cliente pelo telefone, e outro onde a preocupação com o cliente é genuína, o operador está capacitado e habilitado para conduzir a uma solução rápida. Não basta olharmos a empresa, mas também para a tecnologia e os processos que estão integrando toda a experiência. 
As empresas desenham processos e sistemas apenas para resolver seu problema interno? Ou estamos vendo uma mudança para relamente entender o problema do cliente?
Qual a sua experiência?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima