Lançamento de Carnaval: “Escolas De Samba do Rio de Janeiro” (Sérgio Cabral)

0
2



Em tempos de Carnaval, o jornalista, escritor, compositor e um grande pesquisador brasileiro Sérgio Cabral nos brinda com uma nova edição do livroEscolas De Samba Do Rio De Janeiro“, um cuidadoso levantamento da história das escolas de samba da Cidade Maravilhosa.


Este livro foi lançado originalmente em 1974. E, desde então, é obra de referência sobre o tema. É verdade que já havia sido reeditado em uma outra versão de 1996, quando entraram novos capítulos, enfocando o pós-1974. Daí surgiram temas como o Carnaval “de Joãosinho Trinta, das vedetes, dos bicheiros” eo Sambódromo da Marquês de Sapucaí, a partir do carnaval carioca de 1984.


De qualoquer forma, neste livro Sérgio Cabral vai às origens das escolas de samba, destacando com detalhes o papel dos sambistas pioneiros e narrando como se desenvolveram as escolas. No início, as agremiações e seus componentes eram vítimas de preconceitos raciais, sociais e culturais. Hoje porém, são considerados os verdadeiros protagonistas do que é considerado o maior espetáculo da terra.


A nova versão corrige muitos “erros” do pesquisador, já que antigamente era muito difícil levantar dados sobre o passado. Não existia quase nada escrito sobre os desfiles, de com o passar dos anos o autor ficava incomodado já que sua obra era uma referência no segmento. A nova edição amplia também a lista com todas as escolas vencedoras nos Carnavais desde 1932 até 2011.


A narrativa parte do primeiro registro conhecido da palavra “samba”, escrito em 1838 por frei Miguel do Sacramento Lopes Gama na revista pernambucana “Carapuceiro”, e passa pela origem do bloco “Deixa Falar”, entã o primeiro bloco carnavalesco da história, criado em 1928 pelo compositor fluminense Ismael Silva.


O primeiro desfile das escolas aconteceria em 1932, a partir de uma ideia do jornalista Mário Filho (irmão de Nelson Rodrigues), que era o dono do jornal “Mundo Sportivo”. O jornalista, inventou a competição sambista para suprir a falta de notícia nas entressafras dos campeonatos de futebol da época. No desfile inaugural, participaram apenas quatro agremiações: Estação Primeira (atual  Mangueira), Vai Como Pode (atual Portela), Para o Ano Sai Melhor (atual Estácio de Sá) e Unidos da Tijuca.


O livro vai além das escolas, dedicando mais de 200 páginas a entrevistas com alguns dos compositores mais relevantes da primeira metade da década passada. Sergio Cabral entrevistou alguns personagens marcantes do samba com Ismael Silva, Cartola, Carlos Cachaça, Candeia, Martinho da Vila, Fernando Pamplona entre muitos outros. O livro segue sendo considerado um clássico do gênero, e a nova edição também traz uma grande quantidade de imagens, fotos e ilustrações.


Sobre o autor:


Sérgio Cabral Santos é um jornalista, escritor, compositor e pesquisador brasileiro. Nascido no bairro de Cascadura, na capital carioca, começou sua carreira em 1957 como repórter policial do Diário da Noite, Em 1969, já como editor político do Última Hora, juntou-se a Jaguar e Tarso de Castro para a criação do famoso O Pasquim.


Durante ditadura, foi preso por seu ativismo no jornal. Já foi, também, vereador da cidade do Rio entre 1983 e 1993. Neste mesmo ano foi indicado para ser conselheiro do Tribunal de Contas, cargo que ocupou até maio de 2007, quando resolveu se aposentar. Sergio Cabral é pai do atual governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho.


 


ESCOLAS DE SAMBA DO RIO DE JANEIRO


Autor: Sérgio Cabral


Editora Lazuli / Editora Nacional


2012 (496 págs.)


 

     

Diretor geral e fundador da agência Market 21 no Brasil. Mestre em Administração pela FGV-SP, além de graduado em Engenharia Eletrônica, com pós-graduação em Administração de Marketing e em Gestão Estratégica de RH. Atuou na Cisco, Avaya, AES Eletronet, Nortel, Bay Networks e Wellfleet, além de empresas do grupo Algar. Também foi professor na Unip.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO fim do ponto eletrônico?
Próximo artigo“Será que devemos encerrar nosso cartão de fidelidade?”