O canal para quem respira cliente.

Outsourcing não é Terceirização!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



Outsourcing é a contratação de serviços gerenciados de TI, quando se transfere parte ou todos os recursos, custos e riscos da tecnologia, informática e telecomunicações para um ou vários prestadores de serviços especializados. É bem diferente e nada tem a ver com a terceirização promovida em massa no final dos anos 90 com a abertura do mercado para empresas estrangeiras e privatizações das empresas de serviço, como telefonia e energia.

 

A evolução cada vez mais rápida da tecnologia e sua interação por todas as áreas e negócios das empresas e seus diversos setores estão dando aos departamentos de TI – Tecnologia da Informação importância cada vez mais significativas, com isso seus os CIOs e Gerentes de TI precisam cada vez mais estar com uma visão estratégica dos negócios da sua empresa do que com apenas a operação e manutenção da telefônica e informática, o chamado bits e bytes.

 

O modelo de gestão chamado Outsourcing transfere esse papel para empresas especializadas e da ao gestor de TI a possibilidade de voltar seus olhos para novas tecnologias que melhorem o core business da empresa. Por outro lado, isso faz com que os profissionais dessa área tornem-se figuras cada vez mais especializadas e raras no mercado, inflacionando inclusive os salários praticados. Com a demanda e salários em alta, as empresas em geral tem menos poder de barganha para manter os especialistas em TI do que as companhias especializadas nesse setor.

 

Não é apenas a falta de profissional especializado no mercado brasileiro que fazem a demanda pelos serviços outsourcing crescerem. A evolução cada vez mais rápida de softwares e hardware torna cada vez mais caro manter a empresa atualizada com o que existe de mais moderno. O que antes tinha uma vida útil de anos, hoje dura apenas alguns meses. Na gestão outsourcing a empresa contratante paga por serviço e mensalmente, o que chamamos de OPEX ou custo operacional, diferente de modelos anteriores que era baseado somente em CAPEX ou custo de aquisição/capital, onde as empresas pagavam de uma vez pelos sistemas de TI/telecomunicações, mas mantinha em suas estruturas a manutenção.

 

Hoje manter-se muito tempo desatualizado pode significar perda de informações sigilosas da empresa com invasões e hackers ou ter a imagem desgastada com os clientes finais, seja por cadastros desatualizados, falta de acompanhamento nas mídias sociais ou sistemas internos inoperantes. Tudo isso significa prejuízo e é o que nenhuma empresa quer escutar e muito menos ser a responsável.

 

Existem alguns caminhos menos radicais que entregar todo o modelo de gestão para uma única empresa. Pode se usar o modelo multisourcing, onde mais de uma empresa pode se tornar parceira. Um fornecedor de laptops pode dar a manutenção nas máquinas fornecidas por eles, mas o serviço de telefonia ou dados ficar com outra empresa especialista nesse segmento. Outsourcing da infraestrutura, onde apenas os equipamentos têm manutenção contratada e não os sistemas e ainda o outsourcing de aplicações, onde as aplicações, desenvolvimento e testes de aplicativos necessários para o dia a dia da companhia são tem manutenção.

 

Independente de qual modelo sua companhia trabalha ou se você pensa em outsourcing como modelo de negócios, há de se pensar que a(s) empresa(s) escolhida deve ser capaz de entender o modelo de negócio, ser co-responsável e as premissas pré-acordadas – SLA´s devem ser factíveis. O modelo deve ser de parceria desde o início e assim evitar insatisfação em ambas às partes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima