Quem cria, sai na frente!

0
4

Olá,

Vamos deixar um pouco de lado o
ditado que diz que “nada se cria, tudo se transforma” para entender que até
mesmo uma transformação, por mais simplista que seja, envolve criação.

Quem não cria, nunca se
diferenciará! E quem não busca diferenciação, aposta em trabalhar para ser, no
máximo, igual. E sendo igual, se está sempre no meio da massa, onde é muito
mais difícil aparecer e ser reconhecido.

Muitas empresas e pessoas não
progridem justamente por não criarem nada. E todos, em um ou mais momentos, têm
oportunidade para exporem novas ideias, mas, muitas vezes, optam pela
passividade e pela não exposição. Optam, na verdade, por evitar o risco de
alguma reação contrária. Acovardam-se!

Não devemos falar ou fazer as
coisas de qualquer jeito, sem estudo, sem planejamento, sem embasamento. Isso porque
hoje em dia tudo precisa ter fundamento ou estar apoiado em algo que consiga
demonstrar a sua viabilidade, mas precisamos deixar de lado o imediatismo de se
declarar algo viável apenas quando temos recursos na próxima semana, mês ou
ano.  

O pensamento restrito ao prazo é
um dos maiores bloqueadores do processo de criação. Podemos ter ideias e colocá-las
em prática para ter rápidos resultados, mas isso não deve ser uma máxima.

Desmistifique o que é criar…
Criar não envolve necessariamente questões complexas, que requeiram sempre aplicação
de tecnologia ou grandes investimentos. Criar, antes de tudo, parte de
princípio de se gerar facilidades. Para uma facilidade ser criada pode-se depender
de um projeto complexo ou simples, de muito ou pouco investimento, de muito ou
pouco tempo para acontecer, mas essa preocupação deve fazer parte de um segundo
momento. Quando pensamos que o caminho será difícil para fazer o que pensamos,
criamos um mecanismo de rejeição à ideia e, muitas vezes, descartamos uma
grande criação.

Saiba que toda empresa hoje
espera e precisa de boas ideias de seus colaboradores. Seja criativo! Busque
diferenciar-se e criar mecanismos que ajudem a sua empresa a ser melhor e fugir
da mesmice.

Abraço,

Vladimir