O canal para quem respira cliente.

Steve Jobs. Um ano sem ele, mas o legado continua!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin



           

 

       As patentes registradas por Steve Jobs revolucionaram o conceito de mobilidade e interatividade

 

 

 

            Começa pela simplicidade da escolha da marca e logo, uma simples maça mordida. O primeiro logo remetia a Newton e sua maçã, mas percebendo o exagero, não teve medo da mudança e rapidamente foi trocado por um dos logos mais conhecidos do mundo.

 

            Steve Jobs é o homem das patentes, ao todo são 313 registradas em seu nome, sendo que muita delas nem sequer ainda foram produzidas. Isso é a aposta e visão de mercado.  Patentes como a do primeiro mouse, que levaram a praticidade na interface homem x maquina ou a da tecla redonda dos primeiros iPods,  tornaram o manuseio de aparelhos muito mais fácil e sem as complicações de várias teclas e hoje são copiadas por muitos outros fabricantes.

 

    Mas quais foram os segredos do iPhone? Muitas das patentes usadas nesse projeto tinham sido registradas há anos antes do iPhone, como o multi-touch , que é a possibilidade de se tocar na tela com dois dedos. O multi-touch possibilita ampliar textos ou fotos, trocar de tela como se fosse um livro e funciona apenas com o dedo ou canetas especiais diferente dos outros smartphones que possuem aquela caneta que não funciona para os iPhones.

 

            Em 2008 as vendas de iPhone renderam temporariamente a Apple o terceiro lugar na venda de aparelhos, na frente da Blackberry e atrás apenas da Nokia e Sansung.

 

            O tamanho do iPhone foi feito exatamente para uma pessoa segurar apenas com uma das mãos e poder navegar a tela inteira com o dedo polegar. Enganam-se quem imagina que esse tamanho possa mudar em novos lançamentos. Com o iPhone outra industria ganhou vida: as fábricas de software.

 

       Na App Store é possível baixar aplicativos desenvolvidos exclusivamente para os iPhones e Ipads. Os aplicativos são desenvolvidos por terceiros e a Apple recebe 30% do valor pago por qualquer aplicativo com custo, os 70% ficam com o desenvolvedor. Existem milhares de aplicativos. Com o iPhone 4 a Apple ressuscitou através do Facetime a possibilidade de vídeochamadas entre celulares, onde você vê e fala com outra pessoa, desde que ela tenha outro iPhone 4. O Skype também possui um aplicativo vendido na App Store não só para videochamadas, mas para qualquer tipo de chamada entre os usuários que também tenham Skype. A chamada usa a conexão de dados 3G ou WiFi que esta conectado o celular.

 

            Esse nada mais é do que o principio do fim das chamadas telefônicas. Aquela piada de que o telefone faz tudo, inclusive ligação, passara a ser uma meia verdade, pois com uma chamada via conexão de dados, o usuário não ira pagar pela chamada de longa distancia (DDD e DDI), mas falar com quem tiver os mesmos serviços, como se fala pelo MSN ou Facebook. As operadoras de telefônica móvel irão ter que se preocupar cada vez mais em vender pacotes de dados, pois a tendência é que a receita de chamadas, principalmente de longa distancia, caia cada vez mais, com a popularização do serviço.

 

            Por fim o Ipad, lançado em 2010 também decretou a morte prematura dos netbooks, computadores portáteis mais leves que os notebooks, para uso geralmente à internet.

 

            O legado de Steve Jobs promete perdurar por alguns anos, pois existem patentes que  foram registradas por ele e outras não, mas que tiveram sua influência,  que sequer tem previsão de se desenvolverem, como o a bateria de metal liquido que pode durar até 30 horas, lembrando que os iPhones e iPads não trocam de bateria, o iPhone com duas telas, sendo uma frontal e outra trazeira ou o sistema que permite via multi-touch transformar um objeto 2D em 3D.

 

        Vamos esperar, pois cada lançamento da Apple ainda tem a mão de Steve Jobs.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima